GreenLine solicita compra de cartela de clientes da Samcil

ANS vai analisar se operadora, que atende a 300 mil pessoas, poderá absorver os 193 mil

Fernanda Bassette,

03 Maio 2011 | 01h38

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) recebeu ontem o pedido da GreenLine para comprar a cartela de clientes da Samcil - operadora de saúde que está em crise, fechou três dos cinco hospitais da rede própria e acumula uma dívida estimada em R$ 70 milhões.

De acordo com a assessoria de imprensa da ANS, o pedido está em análise e é a prioridade da agência nesta semana. A ANS quer garantir uma solução o mais rápido possível para manter a assistência e atendimento aos beneficiários da Samcil.

A Samcil tem uma cartela com pouco mais de 193 mil associados, enquanto a GreenLine tem pouco mais de 300 mil, além de uma rede com seis hospitais.

Se a compra for efetivada, a GreenLine passará a ter quase 500 mil clientes e, por isso, segundo a ANS, é preciso avaliar cuidadosamente a saúde econômica e financeira e a capacidade de gestão da GreenLine para analisar se a empresa tem condições de absorver uma demanda tão grande de pacientes.

Segundo a agência, a nova operadora precisa comprovar que conseguirá manter todas as obrigações anteriores em relação à assistência dos antigos beneficiários da Samcil.

Reclamações. Segundo a ANS, a análise do pedido de transferência da carteira deve acontecer rapidamente porque o número de reclamações contra a Samcil só tem aumentado nos últimos dias: antes da Páscoa, a média estava em 70 reclamações por semana. Na última semana esse número saltou para 130.

As reclamações contra a GreenLine - considerada uma operadora de saúde de grande porte porque tem mais de 100 mil associados - estavam com níveis bem menores: foram registradas apenas seis reclamações no mês de fevereiro deste ano.

Enquanto a compra não é autorizada pela ANS, os clientes da Samcil precisam continuar procurando atendimento na rede credenciada. A agência orienta que os beneficiários continuem pagando suas mensalidades normalmente para garantir o atendimento enquanto não ocorre a transferência para a rede da outra operadora de saúde.

Prazo. A ANS havia determinado prazo até a última sexta-feira para que a Samcil vendesse sua carteira de clientes. Se ao final desse período a carteira não tivesse sido negociada, a ANS faria uma oferta pública para procurar outra operadora interessada em adquirir a cartela.

O Estado procurou a GreenLine durante toda a tarde de ontem, mas a assessoria não deu mais detalhes do processo.

Mais conteúdo sobre:
GreenLine Samcil

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.