Greenpeace acusa Perdigão de usar transgênico

Ambientalistas da ONG Greenpeace realizaram protesto na frente da sede administrativa da Perdigão, em São Paulo. O ato envolveu 25 ativistas que, no início desta manhã, chegaram a bloquear a entrada e saída de caminhões da empresa. A ONG veio protestar contra o suposto uso de soja transgênica nos produtos "Lanche Chester", "Hamburguer de Frango" e "Almôndegas de Carne". De acordo com o Greenpeace, teste realizado com amostras desses produtos no laboratório chinês DNA Chips teria constatado a presença de soja "Roundup Ready", da Monsanto.Os ativistas tentaram encontrar a diretoria da Perdigão para entregar o laudo do laboratório, mas não foram recebidos. Agora, pretendem enviar o laudo pelo correio. Esta já é a segunda vez que o Greenpeace acusa a Perdigão de utilizar soja transgênica em sua linha de alimentos. No dia 2 de julho, a ONG apresentou laudo do mesmo laboratório mostrando que um lote de mortadela da Perdigão conteria resíduos de soja transgênica. Na ocasião, o frigorífico enviou nota à imprensa sustentando que controla rigorosamente a entrada de matéria-prima em suas fábricas, a fim de evitar o consumo de transgênicos. A empresa destacou que compra toda a soja que consome de produtores nacionais, impedidos legalmente de produzir transgênicos. Além disso, os contratos com fornecedores de soja determinam que o material entregue não pode ser geneticamente modificado. Mesmo assim, a empresa afirmou que amostras da matéria-prima são testadas no armazém de origem, e também em suas instalações. A Perdigão reiterou que todos os seus procedimentos são aprovados e fiscalizados pelo Ministério da Agricultura, e monitorados por diversos organismos internacionais de mais de 40 países, para os quais a Perdigão exporta milhares de toneladas por ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.