Greenpeace faz manifestação em frente à Dow Química

Ativistas do Greenpeace, junto com representantes da Associação de Combate aos POPs (ACPO) e da União dos Pescadores de Conceiçãozinha, no Guarujá, realizaram hoje, em frente à sede brasileira da Dow Química, em São Paulo, uma manifestação em homenagem às mais de 100 mil vítimas do desastre ambiental de Bhopal, na Índia. O acidente químico foi provocado, em 1984, por um vazamento da fábrica de agrotóxicos da Union Carbide (hoje pertencente à Dow Química).Os 25 manifestantes cobriram a entrada principal da empresa com flores e, ao som de cítara (instrumento musical tradicional indiano), fixaram uma placa de metal lembrando o número de pessoas afetadas pelos gases. O motivo do protesto, que está sendo realizado também na sede da empresa na Suíça e em Hong Kong, é a reunião geral de acionistas da Dow Química, que estará acontecendo amanhã na cidade de Midland, no Michigan (Estados Unidos), sede mundial da empresa.O Greenpeace enviou ontem cartas aos principais executivos da Dow Química no mundo, para que ?se pronunciassem favoravelmente ao processo de descontaminação e promovessem a justiça para as vítimas de Bhopal?. A população que sofreu os efeitos da exposição crônica aos gases tóxicos adquiriram doenças pulmonares, coronárias, neurológicas e nos olhos, além de apresentarem sérios distúrbios nos sistemas imunológico, hormonal e reprodutivo.A Dow Química comprou a Union Carbide em 2000 e, com a empresa, vieram os passivos ambientais e de vítimas de Bohpal. Segundo Luiz Carlos Dutra, diretor de assuntos corporativos e comunicações da Dow no Brasil, ?a empresa respeita e dá importância ao assunto, mas ele vem sendo tratado em nível global. Se o tema for questionado amanhã, durante a reunião dos acionistas da companhia, a empresa se posicionará sobre isso. Sempre que o assunto veio à tona, a Dow o tratou com transparência e seriedade?.

Agencia Estado,

08 de maio de 2002 | 16h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.