Greenpeace impede embarque de soja em Paranaguá

Os ativistas do Greenpeace venceram a queda-de-braço com o navio Global Wind, que deixou o Porto de Paranaguá na noite deste sábado sem completar com mais 10 mil toneladas de soja convencional a carga de 30 mil toneladas de produtos geneticamente modificados que tinha sido embarcada na Argentina. Ambientalistas tinham se pendurado em dois shiploaders (equipamentos que transferem a soja do armazém para o navio) na sexta-feira à noite, impedindo o carregamento."Nosso objetivo é impedir que a soja paranaense seja contaminada com a transgênica vinda da Argentina", disse a coordenadora da campanha Engenharia Genética do Greenpeace, Mariana Paoli. A organização também enviou ofícios aos Ministérios da Agricultura, do Meio Ambiente, dos Transportes e da Indústria e Comércio pedindo apoio à decisão do governo paranaense de proibir o embarque de transgênicos por Paranaguá. A ação em Paranaguá parte da expedição Brasil Melhor Sem Transgênicos, que o Greenpeace vem desenvolvendo desde meados de abril com a utilização do navio da organização, o Arctic Sunrise.

Agencia Estado,

10 de maio de 2004 | 01h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.