Greenpeace não quer que navio complete carga em Paranaguá

Ativistas do Greenpeace estão fazendo um protesto no Porto de Paranaguá, com a intenção de impedir que o navio Global Wind complete uma carga, em razão de já ter recebido 35 mil toneladas de soja transgênica da Argentina. Um ativista prendeu-se à corrente da âncora para que o navio não possa atracar no cais. A previsão é que ele receba mais 10 mil toneladas de soja não transgênica em Paranaguá. Por determinação do governador do Paraná, Roberto Requião (PMDB), o porto paranaense não embarca produtos geneticamente modificados."Queremos que o governo federal impeça esse tipo de operação", disse a responsável pela Campanha de Engenharia Genética do Greenpeace, Mariana Paoli. Segundo ela, se forem permitidas as operações "top-loading" (complemento de carga em outro porto), seria colocando em risco o esforço do governo paranaense para evitar "contaminação" de soja transgênica. "Pode ir tudo por água abaixo", acentuou. Não há prazo para término do protesto.

Agencia Estado,

03 de maio de 2004 | 13h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.