Greenpeace não quer que navio complete carga em Paranaguá

Ativistas do Greenpeace estão fazendo um protesto no Porto de Paranaguá, com a intenção de impedir que o navio Global Wind complete uma carga, em razão de já ter recebido 35 mil toneladas de soja transgênica da Argentina. Um ativista prendeu-se à corrente da âncora para que o navio não possa atracar no cais. A previsão é que ele receba mais 10 mil toneladas de soja não transgênica em Paranaguá. Por determinação do governador do Paraná, Roberto Requião (PMDB), o porto paranaense não embarca produtos geneticamente modificados."Queremos que o governo federal impeça esse tipo de operação", disse a responsável pela Campanha de Engenharia Genética do Greenpeace, Mariana Paoli. Segundo ela, se forem permitidas as operações "top-loading" (complemento de carga em outro porto), seria colocando em risco o esforço do governo paranaense para evitar "contaminação" de soja transgênica. "Pode ir tudo por água abaixo", acentuou. Não há prazo para término do protesto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.