Grupo desenvolve liga de titânio para uso odontológico e médico

Mestrandos da Universidade de Taubaté (Unitau) estão desenvolvendo ligas à base de titânio para a fabricação de coroas dentárias e próteses. O projeto reúne odontólogos e engenheiros mecânicos, conforme a Agência Brasil.O objetivo do grupo é produzir material alternativo às ligas mais usadas no mercado, à base de cobalto e o níquel, ambos combinados com o cromo. O titânio puro é abundante na natureza, menos tóxico e não provoca reação alérgica, segundo os pesquisadores.Das duas ligas estudadas, uma combina 90% de titânio com 10% de molibdênio, para aplicação odontológica; a outra, 85% de titânio com 15% de molibdênio, para aplicação médica. O trabalho começou há três anos.Mas a utilização do titânio ainda é difícil. "O custo ainda é elevado e há dificuldades na sua elaboração", esclarece Ana Rosifini, coordenadora do grupo e professora do departamento de Engenharia Mecânica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.