Harvard põe US$ 1 bi em estudos sobre origem da vida

A Universidade de Harvard vai investir US$ 1 bilhão, nos próximos anos, em um projeto de pesquisa sobre a origem da vida na Terra. O ponto de partida dos pesquisadores são alguns mistérios ainda não explicados."Minha expectativa é de que seremos capazes de reduzir a questão a uma série muito simples de eventos lógicos, ocorridos sem nenhuma intervenção divina", disse David Liu, professor de química e bilogia químida de Harvard.A Iniciativa Origens da Vida no Universo foi criada por causa da importância da Teoria da Evolução na base das pesquisas em diversas áreas da ciência contemporânea. A visão evolucionista, fundada por Charles Darwin, se baseia na idéia de que as espécies evoluíram ao longo de milhões de anos.O debate em torno do tema vem esquentando nos Estados Unidos nos últimos anos por conta da ação de grupos conservadores, que defendem a teoria criacionista (segundo a qual, Deus criou o universo) ou a teoria do chamado Projeto Inteligente (segundo a qual, a vida é muito complexa para ser explicada pelo evolucionismo e que uma força superior deve tê-la feito surgir).Harvard não é conhecida como um grande centro de pesquisas sobre a origem da vida, mas quer se tornar um."É gratificante ver Harvard trabalhando numa solução que vai ser lembrada daqui a cem anos", disse Steven Benner, da Universidade da Florida, um dos maiores pesquisadores sobre origens da vida.

Agencia Estado,

15 de agosto de 2005 | 12h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.