Tom Jamieson/The New York Times
Tom Jamieson/The New York Times

Hawking anuncia projeto para achar vida extraterrestre

Iniciativa dirigida pelo astrofísico e batizada de Breakthrough Listen, terá dez anos de duração e verba de US$ 100 milhões

FÁBIO DE CASTRO, O Estado de S. Paulo

20 Julho 2015 | 23h15

O célebre astrofísico Stephen Hawking anunciou nesta segunda-feira, 20, em Londres, um projeto de US$ 100 milhões para a busca de vida inteligente extraterrestre. A iniciativa, batizada de Breakthrough Listen, terá dez anos de duração e é liderada por Hawking em parceria com o magnata russo Yuri Milner, que bancará o investimento. O astrofísico britânico Lord Martin Rees presidirá o projeto.

Segundo Hawking, o projeto fará um levantamento de um milhão das estrelas mais próximas da Terra e será a tentativa mais poderosa e completa já feita para descobrir sinais de vida fora do planeta. “Acreditamos que a vida surgiu espontaneamente na Terra. Portanto, em um universo infinito, deve haver outras ocorrências de vida”, disse Hawking.

O projeto deverá investigar uma parte do céu dez vezes maior que a pesquisada até hoje por todos os programas dedicados à busca da vida extraterrestre. Além de fazer um levantamento completo do plano galáctico - a região que contém o centro e as partes mais densas da Via Láctea -, o projeto ouvirá mensagens das 100 galáxias mais próximas em 10 bilhões de frequências diferentes.

“Em algum lugar do Universo, vida inteligente pode estar observando as nossas luzes, conscientes do que elas significam. Não há questão melhor que essa. É hora de se comprometer a encontrar a resposta sobre a vida fora da Terra. Nós somos inteligente, nós precisamos saber", afirmou Hawking.

Os cientistas acreditam que, se uma civilização, em uma das mil estrelas mais próximas do Sol, transmitir mensagens com a potência de um radar de aeronave, o novo projeto poderá detectá-las. “É uma aposta gigantesca, sem dúvida, mas a recompensa poderá ser colossal”, disse Rees. / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.