Homem do Gelo morreu em luta dramática, diz cientista

O Homem do Gelo, a múmia de 5.300 anos achada em 19 de setembro de 1991 nos Alpes do Tirol, morreu após uma "luta dramática" contra dois ou três oponentes perto do lugar onde foi descoberto.Foi o que concluiu o especialista austríaco em pré-história Walter Leitner, que se baseou em pesquisas recentes e em novas imagens de raios X obtidas da múmia, que está em um museu de Bozen, em território italiano ao sul dos Alpes.A ponta da seta que foi encontrada incrustada no ombro da múmia pré-histórica deve ter provocado uma morte rápida por dessangramento, disse o especialista, que afirma ter reunido um grande número de indícios sobre um combate.O historiador acredita que Oetzi - como foi apelidado por ter sido achado na região dos Alpes de Oetztal - se envolveu em uma luta brutal na qual também sofreu cortes na mão. Acredita-se que vários rivais prepararam para ele uma emboscada e que ele foi surpreendido pelo disparo de um arqueiro que feriu suas costas.O historiador afirma que testes de DNA indicaram que havia sangue de quatro pessoas diferentes nas armas do "homem do gelo".Sobre o porquê de um fim tão dramático, os pesquisadores só podem especular, embora se inclinem por acreditar que houve uma luta pelo poder local, já que as tatuagens e os objetos que ele carregava consigo indicam que se tratava de um homem importante e poderoso.

Agencia Estado,

20 de setembro de 2005 | 10h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.