Josh Davimes
Josh Davimes

Homem pré-histórico dormia 6,5 horas por noite, segundo estudo

Pesquisa de cientistas americanos com povos caçadores-coletores de três países indica que populações primitivas não dormiam mais que o homem moderno, ao contrário do que se imaginava

Fábio de Castro, O Estado de S. Paulo

15 Outubro 2015 | 19h37

O homem pré-histórico não dormia mais que o homem moderno, de acordo com um novo estudo. A fim de descobrir como dormiam os povos ancestrais, um grupo de cientistas estudou os padrões de sono de comunidades tradicionais em três países. A conclusão contraria o senso comum: mesmo sem as perturbações típicas da vida moderna, as poulações de caçadores-coletores dormiam em média 6,5 horas por noite.

O estudo, publicado nesta quinta-feira, 15, na revista científica Current Biology, mostra também que povos tradicionais da Bolívia, da Namíbia e da Tanzânia não tiram sonecas regulares, nem vão dormir logo que escurece, como seria esperado para comunidades sem acesso a luz elétrica, TV, internet e ruídos da cidade.

"O tipo de sono dessas populações desafia a crença de que o sono foi altamente reduzido no mundo moderno. Isso tem importantes consequências para a ideia de que precisamos de pílulas para dormir, já que o sono teria sido reduzido de seu 'padrão natural' pelo amplo uso da eletricidade, das TVs, da internet e assim por diante", disse um dos autores do estudo, Jerome Siegel, da Universidade de Califórnia, nos Estados Unidos.

Para descobrir como as pessoas dormiam antes da era moderna, os cientistas estudaram três sociedades de caçadores-coletores que vivem como os povos primitivos: duas na África - os Hadza, da Tanzânia, e os San, da Namíbia - e uma na América do Sul, os Tsimane, da Bolívia. Os pesquisadores coordenados por Siegel registraram os hábitos de sono de 94 indivíduos e coletaram dados que representam um total de 1165 dias.

Um dos achados mais surpreendentes do estudo é que há uma grande semelhança entre os três grupos. "Apesar da variedade genética e das diferenças de história e de ambiente dessas populações, descobrimos que os três grupos mostram uma organização de sono similar. Isso sugere que eles expressam o âmago dos padrões humanos de sono, provavelmente característicos do Homo sapiens da era pré-moderna", disse Siegel.

O tempo médio de sono dos grupos varia entre 5,7 horas e 7,1 horas - equivalente à duração do sono registrada nas sociedades industriais. 

Os caçadores-coletores dormem uma hora a mais no inverno, em comparação ao verão. Embora não possuam acesso à luz elétrica, nenhum dos grupos tem o hábito de ir dormir com o Sol. Em média, eles ficam acordados pouco mais de três horas após o por-do-sol e se levantam antes do amanhecer.

O estudo indica, segundo os autores, que o tempo de sono tem mais relação com a temperatura que com a luz. Todos os grupos estudados vão se deitar quando a temperatura cai e dormem ao longo da parte mais fria da noite.

Sem insônia. Foi descoberta também uma importante diferença entre os caçadores-coletores e o homem da sociedade industrial: muito poucos deles sofrem de insônia crônica - uma queixa comum em países industrializados. Segundo os cientistas, isso levanta uma possibilidade interessante.

"Imitar aspectos do ambiente natural experimentado por esses grupos pode ser uma solução eficaz para tratar certos distúrbios modernos do sono, em particular a insônia, um transtorno que afeta mais de 20% da população em países como os Estados Unidos", afirmou Siegel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.