'Homens das cavernas' podiam 'falar', diz pesquisador

Arqueólogo Francesco d'Errico afirma que arte corporal feita por neandertais 'é uma forma de comunicação'

Da Redação,

27 de março de 2008 | 10h59

O arqueólogo Francesco d'Errico, da Universidade de Bordeaux, na França, encontrou, em pesquisas pela Europa, resquícios de pigmentos deixados para trás por neandertais, segundo divulgou nesta quinta-feira, 27, o site NewScientist. Com a descoberta, D'Errico afirma que, considerando que a arte corporal é uma forma de comunicação, "isso leva a concluir que os "homens da caverna" sabiam falar". No entanto, o arqueólogo disse que mesmo que os neandertais tivessem capacidades relacionadas à linguagem, isso não significa que eles conseguiam falar da mesma forma que os humanos. O arqueólogo revela ainda que os pigmentos não eram aplicados no corpo apenas com a finalidade de camuflagem, mas também como moda - os neandertais desenhavam de linhas pretas a desenhos abstratos. Os neandertais são considerados "parentes" próximos do homem moderno e desapareceram há cerca de 30 mil anos. Eles, que em sua maioria tinham a pele clara, usavam pigmentos escuros para marcar a própria pele e a de animais, segundo d'Errico.

Tudo o que sabemos sobre:
neandertaisarqueologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.