Hubble abre uma nova janela para o universo

A agência espacial americana, Nasa, divulgou ontem as primeiras imagens do universo registradas por uma nova e sofisticada câmera do telescópio espacial Hubble, que conseguiu captar galáxias e nebulosas com detalhes dez vezes mais nítidos do que as fotos feitas até então pelo observatório orbital. Astronômos disseram que o sucesso do novo equipamento - chamado de Câmara Avançada de Observações (ACS, na sigla em inglês) - fornecerá informações sobre a formação de corpos distantes, fenômenos que antes eram vistos apenas como mera névoa. Cientistas da Nasa classificaram as imagens como "espetaculares" e "impactantes". As fotos motram duas nebulosas ou colunas de gás na Via Láctea e três galáxias mais distantes. Em uma das imagens, se vê com grande nitidez uma galáxia espiral a 430 milhões de anos-luz da Terra. Um ano-luz é a distância que a luz percorre em um ano, algo em torno de 10 trilhões de quilômetros. A nova câmera também registrou imagens de algo que se parece com um apavorante monstro marinho e na verdade é uma enorme coluna de gás e poeira cósmica a 2.500 anos-luz de distância, chamada pelos cientistas de Nebulosa Cônica. Uma estrela recém-nascida no coração da Nebulosa de Omega - a 5.500 anos-luz - também foi exibida nas imagens do Hubble. Em outra foto, surgem duas galáxias - chamadas de Os Ratos - a 300 milhões de anos-luz, que parecem estar enroladas uma na outra e que estão prestes a colidir. Essa imagem é particularmente curiosa porque, de acordo com os astrônomos, o destino das duas galáxias será o mesmo da Via Láctea, que também, acreditam eles, um dia colidirá com a galáxia vizinha, a de Andrômeda. Primórdios"Estamos olhando através de 90% da idade do universo. O ACS está abrindo uma grande e nova janela para o universo", disse Holland Ford, da Johns Hopkins University, o cientista que liderou o projeto, iniciado há sete anos. "Estamos vendo galáxias que, estima-se, foram formadas cerca de um bilhão de anos após o nascimento do universo", disse ele. "É uma feliz surpresa observar essas galáxias que remontam quase ao início dos tempos." Muitos cientistas acreditam que o universo tenha sido formado com uma grande explosão, o Big Bang, ocorrida há 14 bilhões de anos - idade que imagens captadas pelo próprio Hubble em 1999 ajudou a determinar. O Hubble recebeu a nova câmera em março, durante a missão do transportador STS-109, que permitiu uma série de melhorias no laboratório, entre as quais uma nova unidade de potência, conhecida como o "coração" do telescópio. A nova câmera custou US$ 75 milhões. O Hubble foi lançado há 12 anos a um custo de US$ 2,2 milhões.

Agencia Estado,

01 de maio de 2002 | 11h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.