Hubble capta anéis de luz criados pela gravidade de galáxias

Anéis podem ajudar a determinar propriedades importantes do Universo, como o conteúdo de matéria

10 de janeiro de 2008 | 18h13

O telescópio espacial Hubble revelou um alinhamento óptico inédito no espaço: um parte anéis de luz, um dentro do outro como o padrão de um alvo. O padrão é formado pela distorção da luz de duas galáxias distantes, posicionadas exatamente atrás de uma galáxia de grande massa, como três contas em um colar. Os anéis luminosos poderão oferecer informações sobre a matéria escura, a energia escura, e até mesmo sobre a curvatura do Universo, dizem pesquisadores. A descoberta faz parte de uma pesquisa encabeçada por Raphael Gavazzi e Tommaso Treu, da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara.   O fenômeno causador dos anéis, chamado lente de gravitacional, ocorre quando uma galáxia de grande massa, em primeiro plano, dobra os raios de luz de uma galáxia mais distante. Quando duas galáxias alinham-se perfeitamente, o resultado é o chamado "anel de Einstein".   Quando duas galáxias se alinham atrás da primeira, um segundo anel, maior, surge.   Esse efeito de lente gravitacional é um dos poucos mecanismos pelos quais cientistas conseguem pistas sobre a chamada matéria escura, uma forma invisível de matéria que só interage por meio da força da gravidade.   Segundo os pesquisadores envolvidos no trabalho, a distribuição da matéria escura nas galáxias em primeiro plano pode ser medida com precisão.   Além disso, se diversos anéis duplos puderem ser encontrados, seria possível medir a curvatura do espaço pela força da gravidade, o que permitiria determinar o conteúdo de matéria no universo e as propriedades de uma misteriosa força antigravitacional conhecida como energia escura.

Tudo o que sabemos sobre:
hubblegravidadegaláxias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.