Hubble detecta colisão de asteroides além de Marte

Rocha espacial deixa rastro de poeira e destroços após contato com outro astro desgarrado

estadao.com.br,

02 Fevereiro 2010 | 17h12

O Telescópio Espacial Hubble observou uma misteriosa nuvem de destroços em forma de "X" que indica uma colisão direta entre dois asteroides. Astrônomos acreditam há tempos que colisões estão, aos poucos, reduzindo os corpos do cinturão de asteroides a pedregulhos, mas os vestígios imediatos de um choque nunca haviam sido observados antes.

 

General pede que o mundo declare guerra ao lixo espacial

Sonda da Nasa detecta presença de asteroide próximo à Terra

Busca de asteroides perigosos requer mais verba, diz relatório

 

Colisões entre asteroides são energéticas, com velocidade média de impacto de cerca de 15.000 km/h. O objeto avistado pelo Hubble, chamado P/2010 A2, havia sido descoberto em 6 de janeiro pela Pesquisa Lincoln de Asteroides Próximos da Terra, ou "Linear", na sigla em inglês. Imagens do Hubble feitas em 25 e 29 do mesmo mês mostram um complexo padrão em "X" de filamentos perto do núcleo.

 

A imagem do rastro de destroços; no destaque, o núcleo do asteroide, deslocado. HST/ESA-Nasa

 

"Isto é bem diferente dos envelopes de poeira de cometas comuns", disse o astrônomo David Jewitt, da Universidade da Califórnia em Los Angeles. "Os filamentos são feitos de poeira e cascalho, presumivelmente arremessados para fora do núcleo. Alguns são arrastados para trás pela pressão da radiação solar, criando faixas retas de poeira".

 

Hubble mostra o núcleo principal de p/2010 A2 do lado de fora de seu próprio envelope de poeira. Isso nunca tinha sido visto antes em um objeto semelhante a um cometa. Estima-se que o núcleo tenha 150 metros de diâmetro.

 

Cometas normais originam-se nas partes mais externas do sistema solar e, contendo grandes reservas de gelo, começam a derreter ao se aproximar do Sol. O material vaporizado é ejetado. Mas  P/2010 A2 pode ter uma origem diferente, já que orbita no cinturão de asteroides, uma região dominada por rochas secas, desprovidas de material volátil.

 

Isso deixa aberta a possibilidade de que a cauda de destroços seja resultado de um impacto entre dois corpos, em vez do simples derretimento de gelo.

Mais conteúdo sobre:
hubbleasteroidecolisãomarte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.