Hubble faz catálogo de 67 imagens de lentes gravitacionais

Lentes permitem detectar objetos no Universo disrtante estudar a matéria escura nas galáxias

Carlos Orsi, do estadao.com.br,

19 de fevereiro de 2008 | 13h54

Quando a luz de um objeto distante no Universo passa nas imediações de uma galáxia mais próxima da Terra, a gravidade dessa galáxia pode agir como uma lente, concentrando os raios e tornando o objeto mais distante visível para instrumentos baseados no Sistema Solar. Essas chamadas "lentes gravitacionais" já permitiram diversas descobertas importantes - mais recentemente, a de dois novos planetas - e, agora, o telescópio espacial Hubble criou com catálogo com 67 delas.   De acordo com nota distribuída pela Nasa, se essa amostra reunida pelo telescópio espacial for representativa, deve haver pelo menos meio milhão de lentes gravitacionais em todo o céu. As lentes detectadas pelo Hubble são fruto de um projeto, o "Cosmos", desenvolvido para pesquisar um campo do céu com 1,6 grau quadrado - o equivalente à área de nove luas cheias - com diversos observatórios, baseados na Terra e no espaço. Das 67 lentes identificadas pelo Cosmos, as mais destacadas mostram a imagem distorcida de galáxias localizadas em segundo plano, e pelo menos quatro das imagens apresentam "anéis de Einstein", uma imagem circular completa da galáxia em segundo plano, que só ocorre quando a galáxia que atua como lente, a que está mais afastada e o telescópio encontram-se perfeitamente alinhados.   De acordo com a Nasa, essas lentes darão aos astrônomos uma oportunidade de investigar a distribuição de matéria escura no universo. Essa matéria não interage com a luz e só pode ser detectada por meio de seus efeitos gravitacionais.   Com uma grande quantidade de poderosas lentes gravitacionais catalogadas, deverá ser possível estabelecer um "censo" das massas galácticas e deduzir a proporção de matéria escura.

Tudo o que sabemos sobre:
astronomiahubblegaláxiasplanetas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.