Hubble fotografa envelope de gás de estrela agonizante

Nebulosa surge quando a estrela expele suas camadas externas, e deve desaparecer em milhares de anos

Da Redação,

04 de março de 2008 | 15h47

Imagem feita pelo Telescópio Espacial Hubble da nebulosa planetária NGC 2371 revela, no centro da nuvem espacial, os restos de uma estrela que, na juventude, já foi parecida com o Sol. A estrela agonizante é o núcleo de uma gigante vermelha que expeliu suas camadas exteriores e agora arde a 130.000 º C.  NGC 2371 está a 4,3 mil anos-luz, na direção da constelação de Gêmeos.   A nebulosa planetária NGC 2371. Foto: HST/Nasa-ESA   Na imagem do Hubble vêem-se nuvens rosadas proeminentes em lados opostos da estrela central. A cor indica material relativamente frio e denso, se comparado ao restante do gás na nebulosa.   Uma nebulosa planetária é uma nuvem de gás em expansão ejetada por uma estrela no final de sua vida. A nebulosa brilha por conta da radiação ultravioleta emitida pelo núcleo quente no centro. Em poucos milênios, a nebulosa dissipa-se no espaço. A estrela central então perderá temperatura lentamente, transformando-se em uma estrela anã branca. Esse é o destino que espera o Sol.   A foto do Hubble foi colorida com um código para exprimir o tipo de elemento presente na nuvem, sendo vermelho para enxofre e nitrogênio, verde para hidrogênio e azul para oxigênio.

Tudo o que sabemos sobre:
nebulosahubble

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.