Hungria prende 4 por tratamento ilegal com célula-tronco

Os suspeitos -- dois húngaros, um norte-americano e um ucraniano -- foram detidos em 27 de julho

REUTERS

29 de julho de 2009 | 10h02

Quatro pessoas foram presas sob suspeita de realizarem tratamentos ilegais e não-testados com células-tronco numa clínica privada da Hungria, usando embriões e fetos abortados, disse nota divulgada na noite de terça-feira no site oficial da polícia local.  

 

 Reprogramação de células da pele cria embriões de ratos

 EUA reduzem restrições a pesquisas com células-tronco

Neurologista usa terapia com células-tronco em trauma medular

Os suspeitos -- dois húngaros, um norte-americano e um ucraniano -- foram detidos em 27 de julho quando se preparavam para tratar um novo paciente. A polícia disse que realizou a prisão devido a "suspeitas de uso proibido do corpo humano".

"Há suspeitas bem fundadas de que um cidadão dos EUA, chamado Julliy B., teria realizado tratamentos com células-tronco por dinheiro dentro de um laboratório húngaro de pesquisas com células-tronco e uma clínica privada de propriedade húngara, desde 2007", disse a polícia.

O suspeito ucraniano preparava as dosagens de células-tronco, e os pacientes em geral pagavam cerca de 25 mil dóloares por tratamento, segundo a nota.

(Reporagem de Krisztina Than)

Tudo o que sabemos sobre:
CIENCIACELULASTRONCO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.