Ibama descobre tráfico de cobras raras via Sedex

O Instituto Brasileiro de Recursos Naturais Renováveis (Ibama) descobriu um esquema de tráfico de animais silvestres do interior de São Paulo para a Europa. Cobras raras eram enviadas por Sedex de São José do Rio Preto para Goiânia, antes de serem remetidas para a Holanda e distribuídas a outros países.O esquema começou a ser desbaratado quando, ao fazer uma fiscalização de rotina no centro de distribuição dos Correios de Goiânia, uma funcionária encontrou 12 cobras. Segundo o Ibama, são espécies raras de periquitambóia ? ou jibóia-papagaio ?, que vivem na mata atlântica e na Amazônia.No mercado negro de animais silvestres, cada uma está avaliada em cerca de US$ 1 mil. O destinatário das encomendas era o goiano Fábio Kléber Silva, de 39 anos. Ele foi preso em flagrante em casa, por tráfico internacional de animais e maus-tratos.Silva confessou que levaria as cobras dentro uma mala até Belém, de onde seriam remetidas para a Holanda. Pelo serviço, receberia R$ 3 mil. Ele disse ainda que recebeu os animais do dono de uma loja no Shopping Center Norte, em Santana, zona norte de São Paulo.Silva vai responder processo em liberdade e pode ser condenado a uma pena de três meses a um ano de prisão. As cobras devem ser levadas para o Zoológico de Goiânia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.