Ibama orienta comércio de pássaros via Internet

Facilitar o comércio legal de pássaros criados em cativeiro, aumentar a eficiência da fiscalização, dificultar o tráfico e formar um banco de dados informatizado. O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) pretende atingir estes quatro objetivos de uma só vez, ao terminar o recadastramento dos criadores amadores de passariformes e disponibilizar o novo Sistema de Cadastro de Criadores Amadoristas de Passariformes (Sispass), via Internet.?Colocando a agilidade e o conforto da Internet à disposição dos criadores amadoristas de passariformes, nosso maior interesse foi dar-lhes oportunidade de efetuar rapidamente e com segurança as operações necessárias para manter seu plantel em dia com o Ibama, a partir de qualquer lugar do País", ressalta José de Anchieta, diretor de Fauna e Recursos Pesqueiros do Ibama.Segundo levantamento feito pelo instituto, existem cerca de 200 mil criadores de pássaros no Brasil, mais mil criadores ? científicos, comerciais ou conservacionistas ? de outras espécies da fauna nativa. Para estes, também deverá ser implantado um cadastro eletrônico, semelhante ao Sispass, em breve.O recadastramento de criadores antigos de pássaros já vem sendo sendo feito há alguns meses e ainda pressupõe o comparecimento às gerências regionais do Ibama, com prazo apenas até amanhã (31/12). O cadastramento de novos criadores já será via Internet, através do site do Sispass (http:://sisweb.ibama.gov.br/~adrian/sispass/). O site funciona a partir de hoje (30/12) para o esclarecimento de dúvidas e permitirá a atualização de informações sobre criadores antigos e o registro on line dos novos criadores, a partir de fevereiro. Solicitações de anilhas e transferências de pássaros também poderão ser feitas via Internet. O site ainda traz informações atualizadas sobre as principais decisões do Ibama, legislação, orientações sobre os procedimentos para se tornar um criador e links interessantes.Compradores interessados em adquirir pássaros canoros ou ornamentais de espécies brasileiras têm no Sispass a maneira mais segura de evitar o comércio ilegal e futuras dores de cabeça com aves não registradas. Segundo seus idealizadores, o sistema recusa, automaticamente, eventuais transações irregulares, com criadores não registrados. Vale lembrar, que apenas o comércio de pássaros nascidos em cativeiro é permitido. A retirada de ovos ou filhotes da natureza é considerada crime e, além do vendedor, o comprador também está sujeito a multas e/ou detenção, de acordo com a Lei de Crimes Ambientais.

Agencia Estado,

30 de dezembro de 2002 | 12h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.