Ibama proíbe por um mês pesca no litoral fluminense e capixaba

O presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Marcus Barros, decidiu proibir inicialmente por 30 dias a pesca na área do litoral fluminense e capixaba afetada pela mancha negra de produtos que vazaram da Indústria de Papel Cataguazes.Barros afirmou que o laudo preliminar da Universidade de Viçosa indica que não há metais pesados na composição do material que dizimou a fauna dos rios Pomba e Paraíba do Sul, mas "por precaução" a medida será estendida ao mar - uma portaria da semana passada proibira por 90 dias a pesca em água doce.Barros disse que vai solicitar ao Ministério da Defesa que coloque mais uma embarcação para fiscalizar a pesca na região. Pescadores de alto-mar só poderão trabalhar a uma distância de 40 quilômetros da costa. "É uma felicidade constatar que a mancha está se diluindo rapidamente. A perspectiva é que o impacto no mar seja bem menor do que nos rios", disse Barros, que sobrevoou o local.Uma área de 120 quilômetros de extensão já foi atingida, mas a mancha estaria a uma distância média de 18 quilômetros do litoral. Segundo ele, a mancha já deixou a foz do Paraíba do Sul e está se dissipando para alto-mar, em direção ao Espírito Santo e, com menos intensidade, para o sul, no litoral de Campos.

Agencia Estado,

08 de abril de 2003 | 20h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.