IBGE vai investir em informações sobre clima

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) inaugurou nesta quinta-feira a Câmara de Comunicação, Educação e Informação sobre Mudanças Climáticas, criada para mobilizar a opinião pública e informar a população brasileira sobre as transformações do clima que afetam o mundo e o Brasil. O objetivo da Câmara, que reúne governo e sociedade civil, sob a coordenação do IBGE, é montar programas de TV, produzir publicações e organizar eventos para explicar didaticamente questões ambientais teóricas, como o efeito estufa, o aquecimento global, o derretimento das camadas polares etc. "Esse trabalho é importante porque são exatamente as populações de países pobres as que mais sofrerão com as mudanças, sendo afetadas pelas inundações, causadas pela elevação do nível dos mares, e pelo provável aumento das doenças tropicais", explica Sérgio Besserman, presidente do IBGE.Hoje, os representantes da Câmara - que faz parte do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC) - tiveram uma reunião para planejar suas ações. Um ponto ressaltado pelos especialistas é que, em todo o material de informação, a Câmara vai tentar esclarecer com linguagem clara e simples as mudanças no clima, mas tentando desfazer preconceitos e confusões, como as que fazem ligações diretas entre fenômenos meteorológicos (como o veranico, por exemplo) e o aquecimento do planeta. "Queremos deixar claro que, quando falamos de efeito estufa e aquecimento global, estamos falando de acontecimentos de longo prazo que não necessariamente têm ligações com fatos que se referem à previsão do tempo, mas que, mesmo assim, podem ser entendidos pela população", analisa Guido Gelli, diretor de Geociências do IBGE.Hoje, para marcar o início do funcionamento da Câmara, o instituto lançou "O que está acontecendo com a nossa Terra?", um livro infantil destinado a crianças de 7 a 9 anos que fala sobre os fatores que causam as mudanças no clima, e abriu, em seu site na internet (www.ibge.gov.br), espaços com informações didáticas e ilustradas para crianças de 7 a 12 anos (clicando em IBGE - sete a doze) e para adolescentes (IBGE - teen). "Mobilizar a opinião pública não é fácil e a prova disso é que mesmo os tomadores de decisões tratam a questão ambiental como periférica. Mas acho que o caminho para isso é informar as crianças", acredita Fabio Feldman, secretário-executivo do FBMC.

Agencia Estado,

10 de outubro de 2002 | 18h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.