Neva Micheva/Reprodução
Neva Micheva/Reprodução

Igreja Búlgara pede proibição da marcha do Orgulho Gay

Em 2008, participantes da marcha foram atacados por ultraconservadores com pedras e garrafas

EFE,

25 de junho de 2009 | 15h17

O Sínodo da Igreja Ortodoxa Búlgara condenou a realização da marcha do Orgulho Gay no país, prevista para o próximo sábado, 27. Os clérigos disseram que o desfile é "uma demonstração vergonhosa e ignominiosa desse grave pecado mortal".

 

link Parada gay de Madri faz campanha sobre escolas 'sem armários'

link Delegacia de Crimes Raciais apura morte na Parada Gay

 

Em comunicado divulgado na capital, Sófia, a principal autoridade religiosa do país disse que a marcha "provocará consequências malignas para a sociedade e, especialmente, para a juventude".

 

"O Santo Sínodo pede que as autoridades seculares proíbam essa reunião de Sodoma e aos cidadãos, que não participem desses assuntos diabólicos que destroem os fundamentos da moral pública", acrescenta a declaração.

 

Na segunda-feira, estudantes de teologia e famílias ortodoxas do país balcânico espalharam críticas á marcha em páginas da internet.

 

A parada, que ocorre pela segunda vez na Bulgária, conta com apoio do Partido Verde e de 11 embaixadas, incluindo EUA, Alemanha, França e reino Unido, que publicaram declarações de apoio na internet.

 

Em 2008, a marcha búlgara terminou em violência, com mais de 80 ultraconservadores que atacaram os manifestantes com garrafas, pedras e bombas caseiras, presos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.