Igreja considera Orkut e Facebook como 'novas oportunidades'

Conferêcia dos bispos da Itália discute como usar as ferramentas da Web 2.0 para promover a fé

Ansa,

19 de janeiro de 2009 | 14h42

redes sociais virtuais, como Orkut e Facebook, não devem ser consideradas "diabruras" pela Igreja, mas sim como novas oportunidades de presença e de contato, de acordo com a discussão de abertura do congresso católico "Igreja na rede 2.0".   Veja também:  Homem se passa por secretário do papa e busca amigos em site Vaticano apóia aplicativo que leva breviário para iPhones   Inaugurado nesta segunda-feira no centro de convenções da Conferência dos Bispos da Itália (CEI), a reunião se propõe a refletir sobre as "relações entre virtual e real".   "O desafio de hoje é transformar o simples contato em participação verdadeira", afirmou o professor de teologia e comunicação social Adiano Fabris, destacando que as redes sociais não devem ser apenas um local de "exibição", mas de "participação ética".   O professor mencionou que "seitas se aproveitam de lugares virtuais como o Facebook para criar novos cultos, não por acaso semelhantes às grandes religiões, semeando confusão entre tantas pessoas empurradas pelo silêncio e pela solidão a buscar contatos pela internet".   Entre os perigos apontados na discussão estão o "exibicionismo prejudicial" e um crescente individualismo do qual as redes sociais são ao mesmo tempo causa e efeito.   Fabris também lembrou a mensagem do Papa na última Jornada das Comunicações Sociais, de que "nem tudo o que é tecnicamente possível é também eticamente praticável" e que "a relação direta não pode jamais ser substituída".

Tudo o que sabemos sobre:
catolicismoorkut

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.