Igreja investiga padre que oferecia serviços sexuais na internet

Igreja espanhola expulsou o sacerdote que também é acusado de ter usado dinheiro da igreja no disque-sexo

Anelise Infante, BBC

25 Fevereiro 2010 | 06h06

Um padre católico da província de Toledo, na Espanha, foi expulso da congregação sob a acusação de ter colocado anúncios em uma página na internet oferecendo serviços sexuais a mulheres e casais.

 

Veja também:

linkPapa pede fim de 'escravidão do dinheiro' aos brasileiros

linkIgreja Católica desculpa-se por abusos sexuais na Alemanha 

O sacerdote Samuel Martín, de 27 anos, também foi acusado de ter gasto 17 mil euros (cerca de R$ 42 mil) da igreja em chamadas telefônicas a linhas eróticas.

Segundo o arcebispado, no domingo, 21 de fevereiro, durante a missa do meio-dia, o sacerdote teria confessado aos fiéis que pegara dinheiro da igreja - mas não explicou a razão e se comprometeu a devolver a quantia.

A suspeita sobre o gasto do dinheiro levou à descoberta de um anúncio erótico na internet, atualizado pela última vez no início de janeiro de 2010.

O anúncio atribuído ao padre oferece serviços sexuais e afirma que ele é "bem dotado (15 centímetros)".

'Aberto a tudo'

Sob o pseudônimo "Hector", o autor do anúncio se define como um "heterossexual espanhol a serviço do seu prazer e felicidade".

A página não informa que "Hector" é sacerdote. Mas inclui duas fotos de corpo inteiro, email, número do celular e preços por serviços de 15, 30 e 60 minutos. Além disso, o anunciante avisa que está "aberto a tudo, exceto a sadomasoquismo".

O anúncio é encerrado com uma garantia: "Não vão se arrepender. Farei-os gozar de felicidade como nunca."

A descoberta da suposta vida dupla do sacerdote causou um escândalo na Espanha.

O arcebispo de Toledo, Bráulio Rodriguez, anunciou em coletiva de imprensa na terça-feira que o padre Martín foi expulso da congregação.

O arcebispado abriu um processo disciplinar para investigar o caso. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.