Igreja libera preservativo para casais com HIV nas Filipinas

No entanto, sexo com preservativo deve ser sempre 'o último recurso' e é preferível a abstinência

Efe

14 de julho de 2008 | 19h29

A Igreja Católica das Filipinas autorizou o uso de preservativos para os casais nos quais um dos cônjuges seja portador do HIV, para proteger o parceiro do contágio. No entanto, o sexo com preservativo deve ser sempre "o último recurso" e é preferível a abstinência, disse nesta segunda-feira, 14, um porta-voz da Conferência de Bispos Católicos (CBCP). O porta-voz lembrou que a Igreja continua censurando os preservativos e só permite seu uso nestes casos, para salvar a vida do parceiro do infectado, que tem o direito de mostrar o amor a seu cônjuge sem prejudicá-lo. Esta semana, a CBPC participa pela primeira vez em sua história de um programa de formação para educadores sobre o HIV e a aids, que deve elaborar um manual educativo que será distribuído aos alunos dos colégios católicos. A forte oposição ao uso do preservativo por parte da hierarquia eclesiástica do único país católico da Ásia leva as Filipinas a terem um dos índices de natalidade mais altos da região, de quase 3,5 crianças por mulher. Cerca de 13 mil filipinos são portadores do HIV no país, segundo dados do Departamento de Saúde.

Tudo o que sabemos sobre:
filipinasreligiãoaids

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.