Igreja pede que UE não pague pesquisa com embriões

A Igreja Católica pediu à União Européia que não financie projetos de pesquisa com embriões humanos nem com células-tronco, e se ofereceu para mediar o diálogo entre os Estados e a população.Em reunião realizada nesta semana em Bruxelas, a Comissão dos Episcopados da Comunidade Européia (Comece) elaborou um documento que reconhece "os esforços da UE para promover um marco eficaz e competitivo para a pesquisa", mas ressalta "as conseqüências éticas" decorrentes do financiamento concedido pela UE.Os bispos enfatizam a necessidade de que a pesquisa "proteja a vida e a dignidade humanas" e pedem à UE que "não financie projetos de pesquisa que envolvam o uso de embriões humanos ou células-tronco procedentes dos mesmos".Em outra declaração adotada durante a reunião, a Igreja pede à UE que desenvolva uma estratégia destinada a reconciliar a vida profissional e a familiar. Os bispos reafirmam que "o sacramento do casamento é a base sobre a qual se deve construir a sociedade".Durante a reunião, o presidente da Comece, o bispo Josef Homeyer pediu à Igreja que se envolva de maneira ativa "na promoção de uma melhor compreensão e consideração do projeto europeu".Os bispos consideram que a UE "não deve subestimar a capacidade da Igreja de atuar como interlocutor" entre a Europa e seus cidadãos, em um período de "profunda incerteza, no qual se busca uma reorientação". A Comece reúne as conferências episcopais dos estados membros da UE.   leia mais sobre células-tronco

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.