Igreja protesta contra concessão de patentes de células-tronco

Alemães denunciaram que esta poderia deixar a porta aberta para a comercialização da vida humana

Efe

28 de outubro de 2008 | 16h31

As Igrejas católica e evangélica da Alemanha protestaram nesta terça-feira, 28, através de um comunicado conjunto, contra a concessão de patentes de células-tronco embrionárias, possibilidade sobre a qual Escritório Europeu de Patentes deve se pronunciar em breve. Veja também:Unesco analisa possibilidade de clonagem humana terapêutica Entenda o uso das células-tronco   Através do texto citado, as duas instituições religiosas mais importantes do país expressaram sua radical oposição a esta possibilidade e denunciaram que esta poderia deixar a porta aberta ao monopólio para a comercialização e uso científico da vida humana. "O corpo humano e seus elementos não devem ser comercializados", declarou o diretor da Conferência Episcopal Alemã, o prelado Karl Jüsten, que acrescentou que "não se pode dispor da vida humana e a patentear em seu início desprotegido". A concessão de patentes estabeleceria precedentes em futuros processos e repercutiria em toda a indústria e pesquisa na Europa, afirmam as Igrejas no comunicado. O Acordo de Patentes da União Européia proíbe conceder patentes para o uso de embriões humanos com finalidades industriais ou comerciais. A solicitação das patentes procede, segundo indicam as Igrejas no documento, da Wisconsin Alumni Research Foundation (Warf), sustentada pelo pesquisador americano James Thomson, pioneiro dos estudos com células-tronco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.