Iguanas, jibóias e jabutis no pet shop

A partir do ano que vem, pode ser possível comprar legalmente jibóias, jabutis e iguanas, espécies de animais da fauna brasileira, em pet shops. Mas os bichos não poderão ter sido subtraídos da natureza. Apenas aqueles criados em cativeiro seriam legalmente comercializados. O Ibama tem pronta para ser publicada uma portaria que autoriza o registrode criadouros desses bichos. "Com essa portaria, os interessados vão providenciar as matrizes para reproduzir. Os filhotes só chegariam nas lojas em seis meses a um ano", explicou, em Brasília, o atual diretor de Fauna e Recursos Pesqueiros do Ibama, José de Anchieta dos Santos.A venda dessas três espécies seria regulamentada em outra portaria. "Estamos estudando como poderia ser a identificação (com chip, por exemplo), se poderão ser castrados ou não e criando um manual de manejo. Seria como comprar carro em revendedora com certificado de origem", disse Santos. Segundo o diretor do Ibama, a marcação também evitaria que bichos retirados ilegalmente da natureza terminassem nasvitrines das lojas.Até que a portaria seja publicada, é proibida a venda de todo tipo de animal silvestre brasileiro. "No caso dos jabutis, jibóias e iguanas, há bichos em excesso até em zoológico. Nenhum está ameaçado de extinção. E a comercialização da jibóia amazônica continuaria proibida."ControleNo futuro, o órgão poderá autorizar a venda de outros bichos. A ida das três espécies de bichos para pet shops foi autorizada pela Câmara Técnica Federal de Fauna, composta por representantes do governo e da sociedade, em setembro de 2002. A consultora ambiental e ex-presidente do Ibama Nilde Lago Pinheiro foi voto vencido na Câmara. "Essaliberação tem problemas ambientais, de saúde e segurança. Quandose autoriza criadouros e eles estão em áreas circunscritas, o Ibama pode fiscalizar. Mas como vai ser com esses animais capilarizados em residências?", alerta Nilde.Ela diz que seria difícil acompanhar se os bichos sofrem maus-tratos. "Não se trata de um microondas que, com um manual, você consegue fazer funcionar. Uma jibóia alcança quatro metros em três anos e a iguana chega a um metro e meio!". Nilde argumenta que a decisão de ter um animal desses precisa ser muito bem pensada. "Ou vão soltar no Parque do Ibirapuera ao menor problema."ResponsabilidadeHaveria ainda o risco de desequilíbrio ecológico e introdução de espécies fora do ambiente original se não houver controle. Quem comprasse não poderia reproduzir os bichos ou teria de devolver os seusfilhotes ao criador, segundo o diretor do Ibama. "Por isso estamos vendo se é possível uma castração", afirmou Santos. "Imagine os bichos soltos num sítio e começar a nascer vários deles. Quem vai fiscalizar?", pergunta a consultora. Ela lembrou que jibóias comem ratos e pintinhos vivos. "Já pensou seu filho alimentando seu bichinho de estimação assim?"O presidente da Associação Brasileira de Criadores e Comerciantes de Animais Silvestres e Exóticos (Abrase), Luiz Paulo Amaral, diz que há muitos interessados em criar comercialmente esse tipo de bicho no País. "Regularizar a criação e a venda, com controle do Ibama, é a melhor maneira de combater o tráfico. A demanda por eles é muito grande e a venda ilegal também", diz Amaral. Ele ressaltou que a castração derépteis e anfíbios é praticamente impossível. "Vai ter de seruma posse responsável. Quem descumprir a lei terá de respondercivil e criminalmente."

Agencia Estado,

25 de dezembro de 2002 | 20h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.