Imagens da Nasa mostram trânsito da Lua diante da Terra

Imagens da Nasa mostram trânsito da Lua diante da Terra

Nova câmera do satélite DSCOVR, a 1,6 milhão de quilômetros da Terra, mostra o "lado escuro" da Lua iluminado pelo Sol

O Estado de S. Paulo

05 Agosto 2015 | 19h14

Uma nova câmera da Nasa a bordo do satélite climático Deep Space Climate Observatory (DSCOVR) captou uma imagem única da Lua, enquanto o satélite se movia diante da face da Terra iluminada pelo Sol. 

As imagens mostram Sol batendo em cheio no "lado escuro" da Lua - que não é escuro, mas apenas permanentemente invisível a partir da Terra. O satélite estava a cerca de 1,6 milhões de quilômetros da Terra quando as imagens foram obtidas.

Posicionada entre o Sol e a Terra, o DSCOVR tem como missão principal um monitoramento em tempo real dos ventos solares que atingem a Terra. Os dados são utilizados pela Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera dos Estados Unidos (NOAA, na sigla em inglês).

Acompanhando a rotação da Terra, o satélite observa constantemente o lado do planeta que é iluminado pelo Sol, fornecendo observações científicas do ozônio, da vegetação, das nuvens e dos aerossóis da atmosfera. A nova câmera começará suas observações regulares em setembro e fornecerá uma série de imagens da Terra que permitirão estudar as variações diárias de cada um desses itens em toda o planeta.

Duas vezes por ano, a câmera captará a Lua e a Terra juntas, no momento em que a órbita  do DSCOVR cruzar o plano orbital da Lua.

As imagens que acabam de ser divulgadas foram feitas às 14h50 e às 19h45 (horário de Brasília) no dia 16 de julho e mostram a Lua se movendo sobre o Oceano Pacífico perto da América do Norte. O Pólo Norte está no canto superior esquerdo da imagem.

O "lado escuro" da Lua nunca havia sido observado até 1959, quando a nave soviética Luna 3 enviou as primeiras imagens. Desde então, várias missões da Nasa mostraram o lado mais distante do satélite em detalhes. 

Em 2008, a nave Deep Impact, da Nasa, captou uma imagem muito parecida da Terra e da Lua, de uma distância de 50 milhões de quilômetros. 

As cores das imagens da nova câmera são geradas pela combinação de três exposições monocromáticas separadas, feitas em sucessão rápida. 

"É surpreendente como a Terra é muito mais brilhante que a Lua", disse Adam Szabo, cientista do projeto DSCOVR, no Centro Goddard de Voo Espacial da Nasa. "Nosso planeta é realmente um objeto brilhante no espaço escuro, em comparação com a superfície lunar", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
Astronomia Lua Nasa Satélite

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.