Imagens de Nossa Senhora são destruídas em Santiago-RS

Peças destruídas não tinham valor comercial ou artístico, mas a fé popular da região

Elder Ogliari, de O Estado de S. Paulo,

16 de julho de 2008 | 21h03

As estátuas e as placas de agradecimento deixadas por devotos na Gruta Nossa Senhora de Fátima, em Santiago, na região central do Rio Grande do Sul, foram depredadas na noite de segunda-feira, 14. As peças de gesso destruídas não tinham valor comercial ou artístico, mas, segundo o padre Hermeto Mengarda, representavam muito para a fé popular.   Avisada pelos zeladores da gruta, a Polícia Civil vistoriou o local na terça-feira. No boletim de ocorrência, o inspetor Carlos Alberto Dorneles Peicha relatou ter encontrado as estátuas de santos com cabeças e braços quebrados por pedras. A imagem principal, de Nossa Senhora de Fátima, de quase dois metros de altura, foi derrubada do altar. As placas de agradecimentos foram quebradas ou entortadas. Os vândalos também depositaram dois bonecos de pano no altar, o que levou o policial a levantar a hipótese de que o ato pode ter sido um ritual de adeptos de alguma outra crença.   Até o final da tarde desta quarta-feira, 16, a investigação ainda não havia encontrado pistas dos autores do ataque. A punição para falta de respeito a objeto religioso pode ser de um mês a um ano de prisão.   A gruta natural começou a ser utilizada para o culto católico em 1956, quando foi construído um altar para Nossa Senhora de Fátima e os pastores e adaptados alguns nichos para outras imagens sacras.   Nos últimos anos a prefeitura asfaltou o acesso e instalou churrasqueiras, bancos e banheiros, oferecendo o local, à margem do Rio Rosário, também para o lazer dos moradores e turistas.   Segundo o padre Hermeto, muitos argentinos em trânsito para o litoral brasileiro costumam parar na gruta para pedir proteção e, na volta, para agradecer pela viagem. Um cálculo dos zeladores indica um movimento médio de 20 carros por dia. "Vamos recuperar logo este espaço para todos", promete o pároco. A restauração será feita pela prefeitura e começa ainda nesta semana.

Tudo o que sabemos sobre:
religião

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.