Imagens inéditas mostram feto ´sorrindo e correndo´

As imagens mostram o feto ?caminhando?, bocejando, esfregando os olhos e até sorrindo. Até recentemente, acreditava-se que o bebê só conseguia sorrir 6 semanas após o nascimento. As novas imagens mostram que os fetos são capazes de sorrir. A nova ultra-sonografia, desenvolvida pelo professor Stuart Campbell, da clínica Create Health, em Londres, oferece muito mais detalhes do que as convencionais. Campbell divulgou fotos de fetos que parecem estar sorrindo, e reuniu-as em um livro intitulado Watch me Grow, em tradução livre, Veja-me Crescer. As ultra-sonografias convencionais, normalmente oferecidas a grávidas no período entre 12 e 20 semanas de gestação, produzem imagens em duas dimensões do feto em desenvolvimento. Elas são usadas pelos médicos para medir e acompanhar o crescimento dos bebês, mas oferecem poucas informações em relação ao comportamento do feto. A tecnologia desenvolvida por Campbell não apenas produz imagens mais detalhadas, mas também registra o movimento fetal em tempo real. Ele diz que a tecnologia mostra, pela primeira vez, que o bebê apresenta comportamento complexo já nos primeiros estágios do seu desenvolvimento. ?Talvez (a nova tecnologia) nos ajude a entender e diagnosticar doenças genéticas no futuro?, disse Campbell à BBC. Uma dessas doenças é a paralisia cerebral, sobre a qual os médicos sabem muito pouco. Entre as revelações permitidas pela nova tecnologia está a descoberta de que após 12 semanas o feto pode chutar, se alongar e se jogar dentro do útero. Nesse período a mãe não é capaz de sentir qualquer movimento. Após 18 semanas, os bebês podem abrir os olhos, embora os médicos acreditassem que as pálpebras só se formassem após 26 semanas. A partir de 26 semanas, os fetos apresentam vários comportamentos típicos dos bebês recém-nascidos: se coçam, sorriem, choram, chupam os dedos e têm soluços.Veja a galeria de fotos da BBC Brasil

Agencia Estado,

28 de junho de 2004 | 17h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.