Impactos ambientais da guerra se multiplicam

A fumaça preta da queima de poços de petróleo e trincheiras em volta de Bagdá e dos incêndios decorrentes de bombardeios é apenas a face mais visível dos impactos ambientais da guerra no Iraque. Uma extensa gama de conseqüências, bem menos aparentes, já se espalha pelo solo, água e atmosfera, afetando tanto as pessoas, civis ou militares, quanto animais, plantas e o funcionamento dos ecossistemas. Mesmo que o conflito armado dure pouco tempo, vença quem vencer, alguns destes impactos persistirão durante muitos anos e o meio ambiente sairá perdedor.Na baixa atmosfera, a poluição gerada pela queima do petróleo ? nos poços ou trincheiras ? é altamente tóxica. Contém hidrocarbonetos, furanos, mercúrio, dioxinas e dióxido de enxofre, este mais conhecido como o principal gás da chuva ácida. Os incêndios também emitem os chamados gases do efeito estufa, sobretudo monóxido e dióxido de carbono e óxidos de nitrogênio, que causam danos na alta atmosfera, aumentando a contribuição da região para as mudanças climáticas.Antes da invasão anglo-americana, o Iraque já era o país mais intensivo do Oriente Médio, em emissões de carbono por PIB, de acordo com estimativas publicadas pelo World Resources Institute (WRI). Em 1999, emitia 2.820 toneladas de CO2 por milhão de dólares do PIB, enquanto o Irã e a Arábia Saudita ? emissores mais importantes, em termos absolutos - respondiam por 780 e 1.030 ton CO2/US$ milhão, no mesmo ano. Agora, soma-se também o carbono resultante da queima improdutiva do petróleo.Por enquanto, os incêndios estão restritos a algo entre sete e treze poços já incendiados (o número varia conforme a fonte de informação). Mas o impacto potencial de novas sabotagens é imenso, sejam quais forem os autores. O Iraque tem 2 mil poços de petróleo em operação e a segunda maior reserva de petróleo do mundo, estimada em 15 bilhões de toneladas ou 112 bilhões de barris, o equivalente a 11% das reservas totais mundiais (há quem diga que podem ser 300 bilhões de barris). É um poder destrutivo bem maior do que os 750 poços sabotados por Saddam Hussein, em 1991, quando ele retirou suas tropas do Kuwait. Os poços kuwaitianos queimaram cerca de 3 milhões de barris de petróleo por dia ? equivalentes a 10% do consumo mundial de petróleo na época - e a maioria ardeu durante 250 dias. Alguns poços continuaram queimando por mais de um ano! O combate aos incêndios mobilizou 10 mil homens de 37 países, obrigados a construir 450 km de aquedutos e 361 lagoas (de cerca de 4 milhões de litros cada) para acabar com o fogo. E isso, numa região onde a água é escassa e disputada pela população.As estimativas totais de emissões relacionadas ao incêndios dos poços kuwaitianos chegaram a meio bilhão de toneladas de carbono, correspondente ao total emitido, em 1991, pelo conjunto de todos os países do mundo, exceto os 8 maiores emissores, ainda de acordo com o WRI.Direto na estratosfera AP/Mesmo que tantos incêndios não se concretizem, outras emissões importantes já estão afetando a atmosfera da região. Os aviões de combate, por exemplo, são responsáveis por contribuições importantes para o efeito estufa, não tanto pela quantidade de gases emitidos individualmente, mas dada a grande concentração de vôos de altitude. Tratam-se de aviões muito econômicos, que teriam emissões individuais menores do que a de aviões comerciais, se fizessem vôos de cruzeiro. Porém, decolam em grupos, usando a estratégia alto-baixo-alto para escapar dos radares, ou seja, quase sempre próximo da aceleração máxima. Cada um dos 5 porta aviões norte americanos tem 80 aviões e, a cada bombardeio, decolam todos.Além disso, as aeronaves são todas supersônicas (algumas trissônicas), o que significa que voam rápido e atingem 13 mil metros, emitindo os gases do efeito estufa diretamente na estratosfera. De acordo com o relatório especial sobre aviação, do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), isso potencializa as emissões, já que o carbono é liberado na camada onde se processam as reações fotoquímicas do efeito estufa, além de interagir com aerossóis. O carbono liberado em solo vai oxidando até chegar na estratosfera e, portanto, relativamente, causa menos danos.É preciso contabilizar, ainda, as emissões dos mísseis, que utilizam, como combustível, uma mistura de oxigênio e amônia com hidrazina, esta fortemente reagente. Entre os gases resultantes da queima de tal combustível estão, novamente, os óxidos de nitrogênio, relacionados ao efeito estufa. Em geral, cada avião leva 6 mísseis, sendo 2 de curto e 2 de médio alcance e 2 de ataque ao solo, sem contar os mísseis disparados de terra. E devem-se somar, também, as emissões dos tanques, caminhões e demais veículos envolvidos, de ambas as partes em conflito.Além disso, a guerra sustenta o alto padrão de consumo de combustíveis fósseis dos Estados Unidos. ?O governo Bush adotou uma política, que pressupõe o franco crescimento do consumo de petróleo?, explicou à Agência Estado, Michael Renner, do Worldwatch Institute. ?Um sistema econômico assim - que depende de petróleo (relativamente) barato, desautoriza a eficiência energética e não limita o consumo - vai continuar a contar com o petróleo do Oriente Médio. E o Iraque, neste contexto, é o prêmio máximo?. Para Renner, a alternativa real para afastar o perigo de eternas guerras por petróleo seria ?o investimento em eficiência energética e em fontes de energia renováveis, como solar e eólica?.Solo e águaNas áreas sujeitas a bombardeios, a contaminação do solo e da água de abastecimento é outro impacto ambiental importante. O derramamento de petróleo no solo ? seja por rompimento de dutos ou problemas de manutenção dos poços ? atinge áreas agrícolas e prejudica a produção de alimentos, já afetada pelas explosões e pelos riscos dos agricultores saírem dos abrigos para cultivar a terra. E aqui os problemas do Kuwait, de 1991, novamente dão uma idéia da dimensão que este impacto pode ter, conforme lembra Jonathan Lash, do World Resources Institute (WRI), entrevistado pela Agência Estado: ?o petróleo derramado no Kuwait formou pequenos lagos, nas terras baixas, contaminando terras férteis. Um único desses lagos, no sul do país, chegou a ter uns 800 metros de comprimento com até 8 metros de profundidade, contendo 9 vezes mais petróleo do que o derramamento do Exxon Valdez, no Alasca?.Também a fuligem dos incêndios, enxofre, chuva ácida e derivados do petróleo queimado são transportados pelo vento e se espalham, contribuindo para o envenenamento da água, da vegetação natural e das pastagens e representando um sério problema de saúde a mais para a população, seus rebanhos e fauna nativa. Sem contar eventuais vazamentos de fábricas e instalações bombardeadas, entre as quais as indústrias de papel e celulose, fertilizantes e produtos farmacêuticos oferecem maiores riscos.Mais um dos impactos potencialmente arrasadores está na poluição biológica das águas. Mesmo se não forem usadas armas biológicas, a destruição da precária infraestrutura de saneamento e a sobrecarga de lixo e esgotos, decorrente da presença das tropas anglo-americanas, são suficientes para multiplicar os casos de doenças de veiculação hídrica. Um dos sintomas de tal sobrecarga já se manifesta no estuário de Shatt Al-Arab, onde especialistas do Programa das Nações Unidas sobre Meio Ambiente (Pnuma) detectaram a proliferação anormal de plâncton. A superatividade dos microorganismos aquáticos decorre do excesso de nutrientes dissolvidos na água dos canais, que cortam Basra, no sul do Iraque, e numerosos cursos d?água associados ao Shatt Al-Arab. Os nutrientes vem do esgoto e lixo da cidade e dos barcos e navios ali ancorados. Vale lembrar, que a rápida proliferação de plâncton leva ao consumo de oxigênio da água e conseqüente mortandade de peixes. Ameaças de extinçãoNos ecossistemas naturais, a guerra ameaça a sobrevivência de diversas espécies, sobretudo quando o controle do fluxo das águas se transforma em estratégia contra o inimigo. Na Guerra do Golfo, conforme acrescenta Lash, parte das áreas inundáveis entre os rios Tigre e Eufrates ? as de mais alta biodiversidade em todo o Oriente Médio - foram parcialmente drenadas por Saddam Hussein. Oficialmente, o objetivo seria criar novas áreas agrícolas, jamais utilizadas. Extra oficialmente, seria uma retaliação a opositores. Na prática, a mudança de regime hídrico teve efeito devastador sobre flora e fauna, exterminando, por exemplo, uma planta chamada arfaj (Rhanterium epapossum), muito usada pelos beduínos como lenha e forragem. E causando, entre os animais, a extinção local de pelo menos sete espécies ou sub-espécies. Três delas são endêmicas e, portanto, provavelmente desapareceram em definitivo: uma lontra (Lutra perspeicillata maxwelli), um ratão do banhado (Erthyronesokia bunnii) e um peixe (Barbus sharpeyi). Outras quatro têm distribuição restrita e a população teria sido extinta no Iraque e Kuwait, sobrevivendo apenas em outros países do Oriente Médio: um tipo de biguatinga (Anhinga rusa chantrel), a ibis sagrada (Threskiornis aethiopicus), o cormorão pigmeu (Phalacrocorax pygmaeus) e a garça golias (Ardea goliath).A contaminação química e alteração do regime de águas nos banhados ainda produziram impacto sobre 66 espécies de aves migratórias, que têm ali seu ponto de parada, no longo trajeto entre o Ártico e o Sul da África, na rota de migração Sibéria Ocidental-Mar Cáspio-Nilo. Entre elas, as mais afetadas são o tordo do Iraque (Turdoides altirostris), o tordo vermelho de Basra (Acrocephalus griseldis) e o pelicano crespo (Pelicanus crispus).Conforme estudos realizados pelo Pnuma, 90% destas áreas inundáveis mesopotâmicas foram destruídas até 2000. Outros 325 km2 secaram nos últimos 2 anos, restando apenas 7% do total original, agora novamente sob pressão de guerra. E os banhados conhecidos como Hawr-Al-Hawizeh, no Iraque, e Hawr Al-Azim, no Irã, ameaçam desaparecer em 5 anos. Um plano de gestão integrada dos recursos hídricos e recuperação da vegetação natural é considerado urgente e deveria coordenar ações dos quatro países, que compartilham a área (Iraque, Irã, Síria e Turquia), conforme foi discutido em meados de março, no 3o Fórum Mundial da Água, em Kyoto, no Japão. Mas nenhum programa é possível enquanto durar o conflito.Ajuda emergencial?Ações rápidas para reparar os danos ambientais sustentam de forma vital a ajuda humanitária?, declarou Klaus Toepfer, diretor do Pnuma, em nota à imprensa. ?Para o bem-estar de longo prazo do povo iraquiano, é essencial incorporar preocupações ambientais em qualquer programa de recuperação do país?.As Nações Unidas já se comprometeram com um fundo de emergência, no valor de US$2,2 bilhões, para mitigação dos impactos ambientais e assistência ao Iraque, para os próximos seis meses. O governo suíço ofereceu fundos complementares, ainda sem definição de quantias. A prioridade, por enquanto, é a identificação de ?hotspots? de poluição, onde as ameaças à vida humana e ao meio ambiente são maiores.Veja o especial :

Agencia Estado,

05 de abril de 2003 | 22h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.