Reuters
Reuters

Imprensa polonesa questiona milagre atribuído a João Paulo II

Freira foi inexplicavelmente curada do Mal de Parkinson após rezar para papa; Vaticano rebate questionamento

ANSA,

04 Março 2010 | 15h38

Um jornal polonês questionou nesta quinta-feira, 4, a veracidade do milagre atribuído a João Paulo II, ressaltando assim que o processo de beatificação do pontífice, em andamento no Vaticano, poderia sofrer atrasos, o que foi negado por autoridades da Santa Sé.

 

Veja também:

linkPapa proclama João Paulo II 'venerável' e acelera beatificação 

linkJoão Paulo II se flagelava frequentemente, diz livro

linkPapa João Paulo II queria renunciar ao pontificado por doença

 

Os trâmites para a beatificação de Karol Wojtyla foram iniciados em 2005, um mês depois de sua morte. Uma das fases finais do processo é a assinatura do Decreto dos Milagres, para o qual foi escolhido o caso da freira francesa que inexplicavelmente foi curada do Mal de Parkinson após rezar por dois meses para João Paulo II.

 

De acordo com o jornal Rzeczpospolita, a religiosa teria "uma doença com sintomas semelhantes ao do Mal de Parkinson", diferentemente do que se afirma. "Trata-se do parkinsonismo, que é curável com medicamentos específicos, já o Mal de Parkinson não é curável", teria explicado o neurologista Grzegorz Opala, citado pela publicação.

 

Contudo, fontes do Vaticano desconstruíram tal hipótese, enfatizando que esta é uma informação "totalmente privada de fundamento".

 

Em dezembro do último ano, o papa Bento XVI assinou o Decreto das Virtudes de seu antecessor, o que o elevou ao título de "venerável". Esta fase é anterior à comprovação do milagre.

 

O processo, que fugiu à tradição ao ser iniciado logo após o falecimento do sumo pontífice, poderia ainda ser concluído rapidamente. Especula-se que a Santa Sé tenha a intenção de santificá-lo em outubro, no aniversário do início de seu pontificado.

 

João Paulo II foi eleito pontífice em 16 de outubro de 1978, após a repentina morte de João Paulo I. Ele permaneceu no posto por cerca de 27 anos, exercendo um dos maiores pontificados da Igreja Católica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.