Incêndio destrói estufa da Unesp e atrasa pesquisas

Centenas de amostras de plantas destruídas, inclusive de espéciesainda desconhecidas, e pelo menos um ano de atraso em pesquisas. Essefoi o saldo do prejuízo científico de um incêndio que varreu uma dastrês estufas do Departamento de Botânica da Universidade EstadualPaulista (Unesp) em Rio Claro, no final da noite de segunda-feira.Segundo o professor Reinaldo Monteiro, uma coleção científica de pelomenos 400 amostras vegetais foi reduzida a cinzas.Os bombeiros contiveram o fogo antes que ele atingisse uma segundaestufa, onde estavam outras cerca de 600 amostras. Não havia ninguém nolocal. Um vigilante da universidade percebeu a fumaça, por volta das 23horas, acionou os bombeiros e os responsáveis pelo departamento.Monteiro explicou que as amostras destruídas haviam sido coletadas nasemana passada no Parque Estadual da Ilha do Cardoso, no litoral sul deSão Paulo, e em áreas do Centro-Oeste, principalmente Goiás eTocantins. "Não vamos ter recursos para voltar a esses locais tãocedo", comentou o professor.Como a coleta precisa ser feita na época em que a planta estáflorescendo, somente poderá ser repetida no próximo ano, alegouMonteiro. "O prejuízo científico é inestimável. Algumas pesquisas terãode ser adiadas para o ano que vem."Ele acrescentou que a estufa incendiada terá de ser recuperada no máximo em duas semanas, para não comprometer outros projetos, mas não soube calcular quanto terá de ser investido.Depois de colhidas, as amostras são colocadas entre duas folhas dejornal, duas de papelão grosso e duas tábuas, amarradas fortemente comcordas. Esse conjunto, chamado de prensa, é levado para secar naestufa, uma caixa madeira com seis lâmpadas incandescentes ao fundo,protegidas por uma tela de arame.Depois de desidratadas, o que leva em média uma semana, as amostrassão levadas ao herbário e podem ser reidratadas posteriormente. Oprofessor acredita que o calor e a grande quantidade de material naestufa podem ter causado o incêndio."A ponta de uma corda pode ter entrado em contato com uma lâmpada e principiado o fogo", avaliou. Ele afirmou que foi o primeiro registro de acidente no local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.