Incêndio destrói mausoléu de 150 anos protegido pela Unesco em Uganda

Tumbas Kasubi guardavam os restos de antigos nobres locais; causa do fogo é desconhecida

Reuters

17 Março 2010 | 10h45

Homem reza diante das ruínas das Tumbas Kasubi (Foto: Marc Hofer/Efe)    

 

CAMPALA - A polícia de Uganda disse nesta quarta-feira, 17, que um incêndio destruiu grande parte das chamadas Tumbas Kasubi, que guardavam os restos de antigos nobres locais - um monumento de 150 anos, protegido pela Unesco como Patrimônio Mundial de Humanidade.

 

A causa do incêndio, que começou no final da noite de terça-feira, ainda não foi esclarecida. O fogo consumiu o mausoléu, que tem teto de palha, e muitos artefatos relacionados à corte do reino de Bugandan.

 

"Nossos oficiais estão no local tentando examinar cada evidência disponível e juntar os pedaços de informação para estabelecer claramente o que aconteceu, mas nenhuma conclusão foi alcançada ainda", disse a porta-voz policial Judith Nabakooba.

 

A baganda é a maior tribo de Uganda, e foi importante na ascensão ao poder do presidente Yoweri Museveni, há 24 anos. Durante cinco anos, ele manteve uma campanha militar no coração do reino de Bugandan, e o apoio dos bagandas foi fundamental para mantê-lo no governo.

 

Mas as relações hoje estão abaladas, porque no ano passado Museveni proibiu o atual "kabaka" (rei de Bugandan), Ronald Muwenda Mutebi, de visitar uma parte dos seus domínios.

 

O "kabaka" quer um controle mais autônomo sobre os recursos do seu reino, como terras e impostos, mas o governo diz que ele é apenas uma figura cultural e deve se manter afastado da política.

Mais conteúdo sobre:
Uganda mausoleu Unesco incendio arqueologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.