Índios deixam área invadida em parque de mata atlântica

A tribo de índios Guaranis liderada pelo cacique Aílton, que há cerca de um ano tinha invadido uma área do Parque Estadual Intervales, no município de Sete Barras, Vale do Ribeira, a 250 quilômetros de São Paulo, abandonou o lugar no fim de semana. O grupo, com 27 famílias, totalizando 95 índios, inclusive crianças, desmontou as ocas, carregou os pertences em um caminhão e tomou o rumo do Estado do Paraná. Segundo informações dadas aos guarda-parques da reserva, o destino final da tribo seria o Estado de Santa Catarina. Técnicos da Fundação Florestal, órgão da Secretaria Estadual do Meio Ambiente que administra a reserva, contaram que o cacique Aílton estava descontente com o grupo do cacique Karaí, que se estabeleceu na mesma reserva, numa área próxima. Ele reclamava que os índios da outra aldeia não respeitavam os princípios dos Guaranis, como não consumir bebidas alcoólicas. O grupo de Karaí, com cerca de 60 integrantes, entrou na reserva há quatro meses, vindo da Aldeia do Bracuí, no município de Angra dos Reis (RJ), e continua no local. A fundação enviará técnicos para uma vistoria na área, esta semana. A secretaria recebeu informações de que outras famílias indígenas podem entrar na reserva para ocupar a área abandonada por Aílton. O Intervales compõe com os parques estaduais Carlos Botelho e do Alto Ribeira o chamado continuum ecológico de Paranapiacaba, a maior reserva contínua de mata atlântica do Estado de São Paulo. No início do ano, a fundação entrou com ação na Justiça federal visando retirar os índios do parque. Laudos elaborados por biólogos apontaram o risco de destruição dos ecossistemas sob proteção legal. O pedido liminar de despejo foi negado, mas o processo ainda tramita na Vara Federal de Santos. A Fundação Nacional do Índio (Funai) opôs-se ao despejo, alegando que os indígenas têm direito natural à ocupação das matas.

Agencia Estado,

13 de maio de 2002 | 17h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.