Índios denunciam contaminação do rio Xingu

Os índios xipaia-curuaia da reserva Arikatum, localizada na volta grande do Rio Xingu, no sudoeste do Pará, denunciaram hoje às autoridades da Fundação Nacional do Índio (Funai) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) a contaminação por mercúrio das águas daquele rio. Segundo eles, os responsáveis pela contaminação são os mais de 600 mineradores que trabalham dia e noite no Garimpo Jurucuá, localizado a apenas dois quilômetros da reserva indígena.O cacique Arikafu relatou em Altamira que diariamente aproximadamente meio quilo de mercúrio é despejado no Xingu pelos garimpeiros durante o processo de separação do ouro encontrado no fundo do rio. O pior de tudo é que na semana passada afundou na região um barco com 50 quilos de mercúrio destinados ao garimpo."Eu quero que as autoridades vejam o que está acontecendo com o rio. Daqui a pouco vão começar a morrer peixes, índios e garimpeiros", apelou o cacique. Os índios afirmam que no garimpo existe também o tráfico de drogas e a prostituição de crianças. A direção da Funai em Altamira vai pedir a presença do Ministério Público Federal e de agentes do Ibama no garimpo para verificar o que está acontecendo e punir os responsáveis pela poluição.

Agencia Estado,

04 de junho de 2003 | 15h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.