Inquérito investiga dano ambiental na reconstrução da P-47

A promotora Rosani da Cunha Gomes, da 2ª Promotoria de Proteção aos Interesses Difusos e Direitos Coletivos, abriu hoje inquérito civil para investigar suposto dano ambiental resultante da reconstrução da plataforma P-47. O inquérito foi instaurado depois de uma representação do vereador Fernando Gusmão (PC do B), que recebeu a denúncia do Sindicato dos Trabalhadores da Construção e Reparo Naval do Rio e de Angra dos Reis.Os "danos irreparáveis ao meio ambiente", segundo o vereador, teriam sido causados pelo pintura da embarcação a céu aberto. Grande quantidade de resíduos estariam sendo lançados diretamente na Baía de Guanabara. A promotora deu prazo de 20 dias para que a empresa Ultratec, responsável pela obra, apresente as licenças para execução dos serviços. A Feema, o Porto do Rio de Janeiro e a Capitania dos Portos têm o mesmo prazo para prestar esclarecimentos ao Ministério Público sobre o caso.

Agencia Estado,

16 de junho de 2003 | 22h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.