Inteligência emocional aumenta a dedicação e satisfação no trabalho

De acordo com autor da pesquisa pesquisa, ponto pode ser incorporado a processo de seleção

Efe

15 Setembro 2010 | 15h04

JERUSALÉM - Os trabalhadores com maior inteligência emocional tem um compromisso e satisfação maior no trabalho do que seus pares, de acordo com um estudo divulgado nesta quarta-feira, 15, pela Universidade de Haifa, no norte de Israel.

 

"Os trabalhadores com maior nível de inteligência emocional dão valor para suas organizações. Eu não acho que demore muito para que a inteligência emocional seja incorporada em processos de seleção e treinamento, avaliação e decisões de promoção", afirmou o autor da pesquisa, Galit Meisler, em um comunicado da universidade.

 

Meisler entrevistou 809 funcionários e gerentes de quatro organizações, duas públicas e duas privadas, a fim de examinar o efeito da inteligência emocional no microcosmo do trabalho.

 

Sua principal conclusão: quanto maior a inteligência emocional, maior satisfação, empenho e sentido de justiça organizacional no trabalho.

 

Por isso, do outro lado da moeda, ou seja, falta de motivação, o desejo de mudar de empresa ou o trabalho feito às pressas para atender os prazos, prevalencem mais entre as pessoas com menor inteligência emocional.

 

Esta divisão não só prejudica o compromisso individual de cada empregado, mas também as relações hierárquicas dentro da empresa, qualifica o estudo, que recebeu o Prêmio Outstanding Doctoral da Political Science Association of Israel.

 

"Os trabalhadores com níveis mais altos da inteligência emocional são menos propensos a usar formas fortes e agressivas de persuasão, mas tentam convencer seus supervisores com táticas de influência mais delicadas", diz Meisler.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.