Internet anuncia e depois desmente perigo de asteróide

Notícia publicada por jornal alemão espalha-se depois de ser lançada na rede por agência internacional

Carlos Orsi, do estadao.com.br,

16 de abril de 2008 | 16h21

A notícia de que um garoto alemão de 13 anos, Nico Marquardt, calculou que as chances de um asteróide gigante, o 99942 Apophis, colidir com a Terra em 2036 são 100 vezes maiores que as estimativas oficiais da Nasa - e que a agência espacial teria confirmado os cálculos do jovem - tomou a internet de assalto depois de aparecer em um despacho da agência de notícias France Presse (AFP) nesta semana, mas já está sendo desmentida praticamente com a mesma velocidade com que se espalhou.   O Slashdot, por exemplo, publicou uma pequena nota citando o texto da AFP na terça-feira, 15, e um desmentido já nesta quarta, com link para uma nota do noticiário de tecnologia britânico The Register. De acordo com o material publicado pela agência francesa, o menino atualizou o risco de colisão entre Apophis e a Terra, de uma chance em 45.000 para uma chance em 450, depois de levar em conta o risco de uma colisão entre o astro e um satélite artificial, durante uma passagem próxima entre o asteróide e a Terra, prevista para 2029.   O blog de astronomia alemão Breaking News for Sky Aficionados ("Últimas Notícias para Aficionados do Céu") traz a descrição mais completa do caso, rastreando a publicação original da entrevista de Marquardt ao jornal alemão Bild em 4 de abril, e uma entrevista com um especialista da Nasa esclarecendo a questão.    "A história é um absurdo, uma fraude ou ambos", disse o pesquisador Donald Yeomans, citado pelo Breaking News. Yeomans esclarece, ainda, que Apophis não chegará perto de nenhum satélite artificial durante a passagem de 2029. O erro do noticiário a respeito do aumento do risco de colisão já está anotado até mesmo na Wikipedia.   No website do Programa de Objetos Próximos à Terra da Nasa, referência internacional para alertas de colisão entre nosso planeta e asteróides ou cometas, Apophis segue com grau zero ("risco de colisão zero ou tão baixo a ponto de ser efetivamente zero") na escala Torino, que avalia o nível de alerta requerido por um astro. Existe, no entanto, um asteróide com grau 1 ("cálculos mostram que a chance de colisão é extremamente baixa e novas observações muito provavelmente reduzirão o nível a zero"): 2007-VK184, com passagens previstas para o período 2048-2057.   Nota oficial   No fim do dia, a Nasa divulgou uma nota à imprensa reafirmando que o risco de colisão entre Apophis e a Terra em 2036 continua "muito baixa (uma em 45.000)". A agência informa, ainda, que "ao contrário do que disseram notícias recentes", não manteve correspondência com o estudante alemão.   (Texto ampliado às 19h23, com o informe oficial da Nasa)

Tudo o que sabemos sobre:
asteróideimpactonasatorino

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.