Inveja do ganso

Essas aves ficam numa boa e, num dado momento, decolam e voam 3 mil km. Sem treino

Fernando Reinach, O Estado de S.Paulo

14 Janeiro 2017 | 03h00

Enquanto pensava em como explicar metamemória os gansos não saíam da minha cabeça. Aí mudei de ideia.

Segundas, quartas e sextas levanto mal-humorado com a perspectiva de ter de cuidar um pouco do corpo. Me arrasto até a academia, corro até perder o fôlego, levanto peso até ter certeza que nos dias seguintes vou ficar dolorido, faço cara de sofrimento para ver se consigo uma moleza do treinador. Nada. São três séries de 15. Alongo e me arrasto de volta. Tudo isso para ficar minimamente em forma, garantir uma glicemia razoável, um colesterol aceitável e evitar um segundo “stent”.

E o pior é que meus músculos não têm memória, basta ficar um mês sem treinar que tudo descamba, o fôlego falta, o braço amolece. Por que os músculos não são como nosso cérebro, que uma vez submetido ao exercício de aprender, guarda a informação por décadas? Como seria a vida se após dois meses de exercício ficássemos em forma por décadas, se os músculos desaprendessem tão lentamente quanto o cérebro. Se um mês de exercício por década fosse suficiente. Ou, melhor ainda, se nosso corpo uma vez treinado se mantivesse treinado por toda a vida, se musculação fosse como andar de bicicleta, uma vez aprendido nunca esquecido.

Esses pensamentos ocuparam minha meia hora de esteira. E tudo por causa dos malditos gansos que não me deixavam concentrar na história sobre a metamemória que tinha decidido escrever.

O fato é que cientistas que estudam migração de pássaros descobriram algo impressionante. Esses caras instalam pequenos sistemas de rádio com GPS nas aves para estudar sua migração. Para isso precisam capturar o bicho, instalar o equipamento, soltar o animal e esperar que ele inicie a migração, o que pode ocorrer semanas ou mesmo meses depois de o equipamento ser instalado. Durante décadas, usando esse protocolo, foi possível estudar as incríveis proezas migratórias das aves. Muitas delas voam milhares de quilômetros sem pousar, se orientando pelas estrelas. O ganso que me atormentou a manhã faz a rota Mongólia-Índia, por cima do Himalaia, duas vezes por ano. Uma maratona de 3 mil quilômetros sem escalas.

Até recentemente, os cientistas só se preocupavam com os dados enviados pelos equipamentos durante o voo. Ninguém conta como isso aconteceu, mas imagino que algum estudante, provavelmente um maratonista, resolveu estudar como os tais gansos se preparavam para a jornada. Será que eles faziam voos curtos e aumentavam a intensidade antes da migração? Se entupiam de carboidratos? Treinavam? E foi essa curiosidade que levou os cientistas a recuperar e analisar os dados enviados pelo GPS entre o dia da instalação e o dia do início da migração. Já imagino o projeto de pesquisa submetido pelo aluno: “Preparo físico entre os gansos asiáticos”. E o subtítulo, caso o financiador fosse interessado em tecnologia: “Sua aplicação no treinamento de atletas”.

Pois bem, os caras juntaram os dados e foram estudar o que os gansos faziam nas semanas e meses que antecedem a jornada. E o resultado foi surpreendente. Eles não fazem nada. Ficavam numa boa, curtindo a vida, comendo, namorando, passeando na borda do lago ou nadando relaxados. E num dado momento decolam e voam 3 mil quilômetros. Sem treino, sem aquecimento, sem preparo.

Feita a descoberta, diversos grupos resolveram reexaminar os dados que haviam coletado e o resultado foi semelhante, os pássaros, em sua grande maioria, não se preparam para suas longas maratonas semestrais. São meses de ócio intercalados por dias de exercício intenso. Entendeu por que os gansos não saíam da minha cabeça?

Agora falta entender por que animais como nós precisam treinar para não perder a forma física, enquanto outros se mantêm em forma sem qualquer esforço. Quero virar ganso.

Voltando da academia fiquei pensando. Será que trocaria minha memória durável e meus músculos lábeis pelos músculos duráveis das galinhas e sua memória efêmera? Aliás, você já reparou que quando você para de correr atrás de uma galinha ela vai do pânico total ao ciscar tranquilo em menos de três segundos? Vale a pena fazer o experimento.

* É BIÓLOGO

Mais conteúdo sobre:
Himalaia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.