Ipam vê falta de foco no combate ao desmatamento

O debate sobre o desmatamento da Floresta Amazônica está míope, segundo pesquisadores do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), uma ONG sediada em Belém (PA). Para eles, os dados globais sobre a perda de vegetação impressionam mas falta saber exatamente onde e quanto há de desmatamento ilegal, para poder direcionar o combate.?A grande questão nesse caso, mais do que o índice (de desmatamento) em si, é justamente poder dizer o que é legal e o que é ilegal?, afirma Ane Alencar, pesquisadora do Ipam, especialista em sensoriamento remoto. ?A contabilidade das áreas que foram liberadas para o desmatamento, dentro do que foi realmente derrubado, poderia nos trazer revelações importantes.?Entre 2003 e 2004, 26 mil quilômetros quadrados da Floresta Amazônica deixaram de existir. Tal ritmo, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), só foi maior em 1995. Nos últimos anos, entretanto, a média do desmatamento tem sido muito maior do que a registrada nos anos 1990.Depois de separado o desmatamento apropriado - necessariamente legal, mas também realizado em solos aptos para agricultura e, portanto, com baixo risco de abandono precoce da atividade - do ilegal, o debate poderá ganhar nova profundidade, acreditam os pesquisadores do Ipam.Processos diferenciados?As ações na Amazônia produzem processos diferenciados de ocupação, que requerem tratamento distintos?, explica Ane. Nas fronteiras chamadas familiares, infra-estrutura adequada, assistência e crédito para intensificar a produção e a rotatividade vão diminuir a pressão sobre a floresta, acredita a pesquisadora."No caso das áreas onde o agronegócio empresarial está consolidado, a única chance é usar o mercado para cobrar uma conduta ambiental adequada?, explica.Um terceiro caso é o tratamento das chamadas áreas de fronteira de expansão explosiva.?O governo começou fazendo isso ao longo da BR-163 (estrada no Sul do Pará considerada uma área complexa de fronteira agrícola). Mas não basta somente a fiscalização apertar. Em todos os níveis precisamos de grandes exemplos contra a ilegalidade, para inibir aqueles que representam 80% dos ilegais e que mudariam de lado frente a uma ameaça real de punição, como começou a ocorrer.?   estatísticas sobre florestas

Agencia Estado,

14 de junho de 2005 | 14h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.