AP
AP

Irmão do papa diz que deu tapas em alunos em coral de escola

Mesmo grupo, antes de ser dirigido por Georg Ratzinger, teve integrantes abusados sexualmente por um padre

CHRISTO, REUTERS

09 Março 2010 | 14h21

O irmão do papa Bento XVI disse em entrevista na terça-feira, 9, que deu tapas no rosto de alunos em uma escola alemã onde foi diretor do coral, mas que não tinha consciência da brutalidade da disciplina aplicada na escola.

 

Veja também:

linkVaticano afirma que abuso sexual não é problema só da Igreja 

linkIgreja é acusada de obstruir investigação sobre abusos sexuais

linkAssessor do papa é afastado por escândalo de prostituição gay    

O reverendo Georg Ratzinger, de 86 anos, deu as declarações a um jornal alemão após a divulgação de acusações de abusos sexuais e físicos cometidos em escolas católicas da Baviera, a região natal do papa. Escândalos de abuso sexual também abalaram as igrejas dos Estados Unidos e Irlanda.

"Durante viagens para concertos, alunos me contavam sobre o que acontecia. Mas, pelas histórias que me contaram, não me dei conta de que eu deveria tomar uma atitude. Eu não tinha consciência da extensão desses métodos brutais", disse Ratzinger ao Passauer Neue Presse.

"Se eu tivesse tido conhecimento do excesso de força que estava sendo utilizado, eu teria dito alguma coisa... Peço perdão às vítimas", disse Ratzinger, que comandou o "Regensburger Domspatzen", ou Pardais da Catedral de Regensburg, o coral oficial da diocese de Regensburg, entre 1964 e 1994.

"No início, eu também estapeava pessoas no rosto, mas sempre fiquei com a consciência pesada", disse Ratzinger, que afirmou que o diretor da escola castigava os alunos da mesma maneira.

A diocese de Regensburg é uma das três escolas católicas do Estado meridional da Baviera em que acusações de abusos sexuais e físicos têm vindo à tona regularmente.

A diocese declarou que um padre abusou sexualmente de dois meninos em 1958 e foi sentenciado a dois anos de prisão. Outro clérigo cumpriu 11 meses de prisão em 1971 por abuso. Outros ex-alunos disseram ter sofrido abusos sexuais, humilhações e espancamentos excessivos no início dos anos 1960, por parte de professores cujos nomes não foram citados.

O papa alemão Bento XVI, ex-cardeal Joseph Ratzinger, lecionou teologia na Universidade de Regensburg entre 1969 e 1977.

Relatos divulgados no mês passado disseram que padres católicos abusaram sexualmente de mais de 100 crianças em escolas jesuítas espalhadas pela Alemanha. O arcebispo Robert Zollitsch, presidente da Conferência dos Bispos Alemães, divulgou um pedido público de desculpas e deve viajar ao Vaticano na sexta-feira para discutir o escândalo.

Ratzinger reconheceu ter aplicado castigos físicos a alunos, mas disse que nunca os espancou excessivamente e que ele e seus colegas em Regensburg nunca falaram sobre abusos sexuais. Ele disse que ficou feliz quando os castigos corporais foram proibidos, em 1980.

Mais conteúdo sobre:
ALEMANHAIRMAOPAPAABUSO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.