Marcos Dermonde/Divulgação
Marcos Dermonde/Divulgação

Jacaré-açu 'passeia' em cidade do interior de São Paulo

Animal de 1,80 metro está na lista dos bichos que correm risco de extinção no Estado

Chico Siqueira, Especial Para o Estado, ARAÇATUBA ,

15 de dezembro de 2011 | 18h08

Moradores da pequena Embaúba, na região de São José do Rio Preto, interior de São Paulo, se assustaram na manhã desta quinta-feira, 15, ao se depararem com um jacaré-açu de 1,80 metro caminhando tranquilamente na calçada da rua São Miguel, no centro da cidade.

O bicho está na lista dos animais de correm risco de extinção no Estado de São Paulo, segundo a Polícia Ambiental.

 

A dona-de-casa Alice da Silva foi a primeira a ver o animal. "Achei que fosse brincadeira do meu filho, mas ao chegar mais perto, percebi que era de verdade", disse ela aos PMs que foram chamados para a ocorrência.

Antes de ser resgatado pelo Corpo de Bombeiros, o animal chamou a atenção de dezenas de moradores, inclusive de crianças que queriam brincar com ele. "Ainda bem que a PM chegou a tempo; tinha crianças pensando que o animal é inofensivo", contou o secretário do Meio Ambiente de Embaúba, Marcos Antônio Dermonde.

Mas ao contrário do que se pensava, o jacaré deu muito trabalho para ser resgatado pelos bombeiros. Eles tiveram de usar cordas, uma rede e bastões com laço. Depois de capturado, o jacaré foi colocado dentro de um alçapão.

 

 

Segundo Dermonde, não é a primeira vez que um jacaré aparece nas ruas da cidade. Há 40 dias outro animal, também jovem e do mesmo porte, foi resgatado numa avenida que os moradores usam para fazer caminhadas no começo da manhã e fim de tarde.

Não se sabe de onde os animais estão surgindo, mas a suspeita, segundo Dermonde, é de que eles tenham saído do Rio da Onça, que fica a 1,5 quilômetro da cidade e possui vegetação nativa em suas margens. "Uma das possibilidades é de esses animais, que são autóctones desta região, estejam vindo à cidade atrás de alimentos", disse. A Polícia Ambiental soltou os bichos num grande represa de uma fazenda na região de Catanduva.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.