Japão critica plano de Bush contra mudança climática

No entanto, ministro do Meio Ambiente disse que Washington pelo menos deu um passo positivo na luta

Efe,

18 de abril de 2008 | 05h22

O ministro do Meio Ambiente japonês, Ichiro Kamoshita, disse nesta sexta-feira, 18, que o plano de luta contra a mudança climática apresentado nesta terça-feira pelo presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, "está muito aquém das expectativas" do Japão. "Francamente, quero que os EUA enfrentem a questão do aquecimento global de uma maneira mais ativa", disse Kamoshita, segundo a agência Kyodo. "Simplesmente queremos que os EUA queiram mais", acrescentou o ministro do Japão, país que este ano preside o G8. Bush apresentou nesta terça-feira uma estratégia para fazer frente ao aquecimento global que prevê a redução dos gases causadores do efeito estufa para 2025. Kamoshita, no entanto, disse que Washington pelo menos deu um passo positivo na luta contra a mudança climática. O Japão propôs uma iniciativa que pretende reduzir pela metade a emissão mundial de gases do efeito estufa para 2050, mas não estabeleceu metas nacionais concretas. Esta é a primeira vez que os EUA estabelecem uma data para a redução de emissões de gases poluentes, mas seu plano não inclui nenhum ano base de comparação, por isso não se pode quantificar a porcentagem exata do corte. O plano dos EUA, que não ratificaram o Protocolo de Kyoto em 1997, também está aquém das expectativas da União Européia (UE), que para 2020 planeja reduzir as emissões em 20%, em comparação com os níveis registrados em 1990. Sobre o impacto do plano de Bush na próxima cúpula do G8, que será realizada em julho na ilha de Hokkaido (norte do Japão), Kamoshita expressou sua decepção com o projeto. "Se vamos construir um consenso entre todos os países do G8, acho que deveríamos apresentar um objetivo mais ambicioso", disse o ministro japonês. Os países que fazem parte do G8 são Japão, Estados Unidos, Canadá, Itália, França, Reino Unido, Alemanha e Rússia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.