Japão perde seu último ibis coroado

Depois que Midori, morreu em 1995, Kin tornou-se o único exemplar de sua espécie que, embora em cativeiro, nascera livre na natureza. Até ontem, a fêmea de ibis coroado parecia bem, em que pese seus 36 anos ? o equivalente a 90 a 100 anos em termos humanos. Mas hoje apareceu morta em sua gaiola, na distante ilha de Sado, a cerca de 300 quilômetros a noroeste de Tóquio.Ele era o último dos raros ibis coroados do Japão. Apesar das tentativas constantes de cruzamento com outros exemplares, incluindo machos enviados da China, Kin e outros pássaros japoneses não conseguiram produzir uma prole.O ibis coroado ? com suas penas brancas tingidas de rosa, cara vermelha e longo bico, curvo e negro ? foi há anos uma presença constante nos campos de arroz de todo o país e um favorito dos pintores de ornamentos. Mas o rápido desenvolvimento industrial praticamente eliminou a espécie, enquanto os pesticidas dos campos de arroz e a desflorestamento destruíam sua fonte de alimento e seu habitat natural.Atualmente, há 90 espécies de pássaros ameaçadas no Japão e cerca de 370 espécies de animais em vias de extinção, de acordo com o Ministério do Meio Ambiente do Japão.Até a China procurou ajudar para que os japoneses não perdessem definitivamente seus ibis. Em 1999, o então presidente chinês Jiang Zemin doou ao imperador Akihito Yang-Yang e You-You, um casal de ibis, e meses depois eles tiveram seu primeiro filhote. O Centro de Preservação de Ibis Coroado de Sado, na isolada ilha de Sado, , planeja repor seus 20 ibis perdidos até 2007.Um exame oficial do pássaro morto indica que, aparentemente, ela debateu-se na gaiola, provocando uma hemorragia cerebral. Não se sabe porque teria feito isso. Seus restos serão congelados e preservados para pesquisa de DNA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.