Japão vende baleias pescadas para pesquisa

Milhares de toneladas de carne de baleias, pescadas para um programa de pesquisas japonês, chegarão aos mercados e fábricas de conserva, esta semana, numa venda anual que deve atingir US$ 33,3 milhões. O objetivo oficial é levantar recursos para esse programa, que há anos é denunciado pelos ambientalistas como máscara para a pesca comercial da baleia.A pesca da baleia foi banida em 1986 para proteger mamíferos em risco de extinção, mas a Comissão Baleeira Internacional (IWC em inglês) aprovou uma exceção restrita para o Japão, um ano depois, para fins de pesquisa.Expedições baleeiras organizadas por um instituto oficial de pesquisa japonês capturam centenas de baleias minkes, e de outras espécies, por ano. O Japão, que é um dos maiores consumidores mundiais de baleias, diz que está reunindo informações para estabelecer em que nível os cardumes de baleias recuperam-se o suficiente para permitir a pesca comercial.A carne, entretanto, é vendida aos atacadistas e encaminhada para restaurantes e alimentação escolar. Esta é uma das principais razões porque o programa vem sendo denunciado há tanto tempo como pesca comercial dissimulada, para enganar grupos ambientalistas e nações que se opõem à pesca, como os Estados Unidos. O Instituto de Pesquisa Cetácea, subsidiado pelo governo, anunciou hoje que planeja enviar ao mercado 1.346 toneladas métricas de carne de 200 baleias, pescadas entre maio e agosto, no noroeste do Oceano Pacífico. Um quilo de baleia minke vermelha ? o tipo mais usado no sashimi ? custará 2.600 ienes (US$ 24).Cerca de um terço dessa carne será embarcado para países de grandes mercados atacadistas, onde será revendido a restaurantes e o restante, a escolas e fábricas de conservas.A carne de baleia costumava ser parte essencial da merenda escolar, no Japão, até que a lei até a pesca comercial ser proibida pela IWC, tornando-se uma iguaria cara, disponível apenas em mercearias e restaurantes chiques.

Agencia Estado,

27 de novembro de 2003 | 15h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.