Japoneses criam 'super fibra' usando gene de aranha

A nova fibra, feita por bichos-da-seda modificados, é ultra-resistente e usa a seda dos dois animais

Geraldo Ribeiro, BBC

17 de dezembro de 2007 | 07h50

Cientistas japoneses conseguiram implantar genes da aranha em bichos-da-seda para a criação de uma fibra duas vezes mais resistente que a seda comum - e que será usada na fabricação de meias especiais. O novo produto, desenvolvido pelos pesquisadores da Universidade Shinshu, da província japonesa de Nagano, foi apresentado como sendo ultra-resistente. A fibra produzida pelo bicho-da-seda geneticamente alterado é composta de cerca de 10% de seda de aranha e 90% da seda que a larva produz para criar seu casulo. A fabricante de meias japonesa Okamoto é uma das patrocinadoras da pesquisa e planeja usar a nova fibra na fabricação de meias mais fortes e mais elásticas. Os vários tipos de seda produzidos pelas aranhas para construir suas teias são conhecidos pela resistência. Apesar disso, não é possível usar aranhas para produzir seda, como se faz com o bicho-da-seda, por causa do comportamento agressivo da aranha. Segundo Masao Nakagaki, que lidera a pesquisa, o novo método acrescenta às qualidades de leveza e brilho, naturais da seda, a resistência e flexibilidade da seda de aranha. O professor Nakagaki declarou à BBC Brasil que um dos tipos de fibra resultantes do novo processo é tão forte quanto a fibra sintética Kevlar, utilizada na confecção de coletes à prova de balas. Para Nakagaki, o próximo passo da pesquisa é aumentar a proporção de seda de aranha na fibra ultra-resistente dos atuais 10% para 20% ou 30%. "Não será fácil, mas acreditamos que seja possível com muito esforço", conclui. Além da fabricação de meias, o novo fio poderá ser usado na fabricação de outros produtos não têxteis, como fios cirúrgicos e linhas de pesca. O lançamento das meias feitas a partir da nova seda está previsto para 2010.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.