Jovens americanos trocam drogas por remédios

Os estudantes adolescentes nos Estados Unidos consomem menos drogas ilícitas do que há alguns anos e também fumam menos, mas abusam mais de potentes remédios que requerem receita médica, segundo um relatório divulgado nesta terça-feira.Esta é uma das constatações mais preocupantes pelo Instituto Nacional sobre Abuso de Drogas (Nida), promotor do estudo anual denominado Supervisionando o Futuro, correspondente a este ano e realizado pela Universidade de Michigan.A sondagem revelou que 9,5% de estudantes do último nível do ensino secundário, usaram Vicodin em 2005 e 5,5% utilizaram OxyContin, dois potentes analgésicos que podem levar ao vício e são vendidos sob receita médica.Há uma tendência crescente nos últimos três anos no consumo do OxyContin entre os estudantes na faixa dos 18 anos de idade. Também é inquietante o crescente consumo de sedativos entre a população escolar dessa idade nos últimos quatro anos.No caso de estudantes da 8.ª série - a última antes do secundário -, foi detectado um crescente abuso de substâncias inaláveis. Na 8.ª série e no 2.º ano do ensino médio há um crescimento no uso indiscriminado de fármacos em geral.O relatório ressalta que, embora o consumo de drogas ilícitas não tenha variado de forma significativa nesses níveis escolares entre 2004 e 2005, há uma queda de 19% no período 2001-2005. Esse declive se observa no consumo de maconha, que caiu 28% entre estudantes da 8.ª série - em torno de 13 anos de idade - e os 23% entre os do 2.º ano do ensino médio.Também se observou uma queda em torno de 2% no consumo de cigarros nos três graus avaliados e baixa também, em uma percentagem similar, no consumo de álcool.O uso de anfetaminas entre estudantes do 2.º ano secundário caiu 1,2% no último ano e 1,7% entre os do 3.º ano do segundo grau. Também diminuiu em 1,1% o uso de esteróides entre os estudantes do último ano do segundo grau.Elías Zerhouni, diretor do Nida, disse que se sente satisfeito com a queda no consumo de drogas ilícitas entre os adolescentes. No entanto, acrescentou, "a tendência ascendente no abuso de fármacos que precisam de receita médica é alarmante".O relatório foi baseado nas respostas de 49.347 estudantes de 402 escolas públicas e privadas em todo o país.

Agencia Estado,

20 de dezembro de 2005 | 11h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.