AP
AP

Judeus realizam cerimônia que só se repete a cada 28 anos

O Birkat Hachamah celebra o retorno do Sol á posição do céu em que se encontrava quando foi criado

Associated Press,

08 de abril de 2009 | 10h56

Judeus devotos de todo o mundo realizaram nesta quarta-feira, 8, um ritual que só se repete a cada 28 anos. As preces matinais a céu aberto são a chamada "bênção do sol".

 

Dezenas de milhares de fiéis foram ao Muro das Lamentações, o local de oração mais sagrado para os judeus. Centenas de outros dirigiram-se à antiga fortaleza de Masada, e grupos reuniram-se no terraço de edifícios e em estradas.

 

"Deus criou o mundo em sete dias", explica Yoná Vogel, um dos 500 mil fiéis que, estima-se, foram ao Muro das lamentações. No quarto dia ele pôs o Sol em órbita, e a cada 28 anos o astro retorna ao local original, onde estava quando Deus criou o mundo".   

 

A bênção especial - chamada Birkat Hachamah em hebraico - foi observada em vários fusos horários, começando pela pequena comunidade judaica da Nova Zelândia. Em centenas de locais, de Israel à Itália e da Nova Zelândia ao Quirguistão, fiéis judeus acordaram antes do amanhecer  para rezar e dançar ao ar livre.

 

As orações ocorrem na véspera do festival da Páscoa, no qual os judeus celebram o êxodo do Egito. A proximidade das festas é uma coincidência, mas aumenta o clima de alegria de muitos religiosos.

Em Nova York, um rabino pretendia liderar uma reunião matinal perto das Nações Unidas. Outro grupo pretendia orar na sacada de um apartamento próximo ao Ponto Zero, o local onde ficavam as Torres Gêmeas.

 

Uma cerimônia de Birkat Hachamah de 1981 havia sido realizada no 107º andar da Torre Sul, e o rabino queria dedicar a cerimônia desta quarta às vítimas dos atentados de 11 de setembro de 2001.

 

O movimento ortodoxo Chabad-Lubavitch previa uma série de transmissões online de sete locais diferentes, começando pela Nova Zelândia e passando por Austrália, Israel, Inglaterra e três pontos nos EUA: Nova York, Colorado Springs e Honolulu.

Os devotos fazem questão de destacar que não se trata de um ato de adoração do Sol, mas de uma homenagem a Deus. "Fazemos uma bênção especial neste dia para lembrar o dia em que Deus criou o mundo e pôs o Sol em órbita. É como se Ele estivesse criando mundo de novo", disse Vogel.

 

A ciência moderna pode ter invalidado a astronomia das Escrituras, mas os religiosos dizem que a bênção ainda tem um importante valor simbólico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.